A OCUPAÇÃO ECONÔMICA DA AMAZÔNIA: UM DESMANDO ESTATIZADO?

Paulo Henrique Faria Nunes

Resumo


A ocupação da Amazônia é resultado de um planejamento estatal. Antes de se iniciar efetivamente uma migração maciça, houve um período de estudos e se adotou um modelo econômico. Assim, instituíram-se órgãos dedicados ao planejamento (Superintendência do Plano de Valorização Econômica da Amazônia; Superintendência do Desenvolvimento da Amazônia) e linhas de crédito para financiar a exploração econômica. As principais atividades que estimularam a ocupação do imenso vazio demográfico foram a agricultura, a pecuária e a mineração. A marcha para a Amazônia teve sucesso, mas o custo social e ambiental foi muito elevado pois a execução do plano de ocupação da região só foi possível com a inobservância da legislação vigente.

Palavras-chave


Amazônia; Ambiente; Agricultura; Mineração; Recursos Naturais.

Texto completo:

PDF

Referências


AB’SÁBER, Aziz Nacib. Amazônia: da teoria à práxis. 2. ed. São Paulo: Edusp, 2004.

ALHO, Cleber J. R.; MARTINS, Eduardo de Souza (editores). De grão em grão, o cerrado perde espaço: cerrado: impactos do processo de ocupação. Brasília: WWF Brasil, 1995.

BARBOSA, Ycarim Melgaço. Conflitos sociais na fronteira amazônica: Projeto Rio Formoso. Campinas (SP): Papirus; Goiânia: Elege, 1996.

BONFIM, Sócrates. Valorização da Amazônia e sua Comissão de Planejamento. Rio de Janeiro: SPVEA, 1958.

BRANDÃO, Antonio Salazar Pessoa; REZENDE, Gervásio Castro de; MARQUES, Roberta Wanderley da Costa. Crescimento agrícola no período 1994-2004, explosão da área plantada com soja e meio ambiente no Brasil. Rio de Janeiro: IPEA, 2005.

BRASIL. CÂMARA DOS DEPUTADOS. Relatório da Comissão Externa destinada a averiguar a aquisição de madeiras, serrarias e extensas porções de terras brasileiras por grupos asiáticos. Brasília: Centro de Documentação e Informação (Coordenação de Publicações), 1998.

BUSCHBACHER, Robert (Coord.). Expansão Agrícola e perda da biodiversidade no cerrado: origens históricas e o papel do comércio internacional. Brasília: WWF Brasil, 2000.

CARDOSO, F. H.; MÜLLER, G. Amazônia: expansão do capitalismo. São Paulo: Brasiliense, 1977.

CHILD, Jack. Geopolitics and conflicts in South America: quarrels among neighbors. New York: Praeger Publishers, 1985.

COSTA, Wanderley Messias da. Geografia política e geopolítica: discursos sobre o território e o poder. 2. ed. São Paulo: Edusp, 2008.

JOANONI NETO, Vitale. Fronteira da crença: ocupação do norte de Mato Grosso após 1970. Cuiabá: Carlini & Caniato Editorial; EdUFMT, 2007.

NUNES, Paulo Henrique Faria. Dificuldade de demarcação da Pan-Amazônia e dos territórios indígenas na região. Textos & debates (UFRR). Boa Vista, v. 2, n. 26, p. 7-28, 2015.

NUNES, Paulo Henrique Faria. O Instituto Internacional da Hileia Amazônica: moinho combatido por um quixotesco Brasil. Revista de Estudos Jurídicos, Niterói, ano II, n. 1, p. 159-185, 2009.

NUNES, Paulo Henrique Faria. As relações Brasil-Japão e seus reflexos no processo de ocupação do território brasileiro. Revista Geográfica, Instituto Panamericano de Geografía e Historia, Ciudad de México, n. 140, p. 61-77, julio-diciembre 2006.

NUNES, Paulo Henrique Faria. Meio ambiente & mineração: o desenvolvimento sustentável. Curitiba: Juruá, 2006.

PAULA, Ruben Descartes de Garcia. A ocupação da Amazônia: pelo homem ou pelo boi? A Amazônia Brasileira em foco, Rio de Janeiro, n. 9, p. 61-78, jul. 1973/jun. 1974.

PICOLI, Fiorelo. O capital e a devastação da Amazônia. São Paulo: Expressão Popular, 2006.

PIMENTEL, Lourdes. A Transamazônica e o problema da integração social. A Amazônia Brasileira em foco, Rio de Janeiro, n. 9, p. 25-60, julho-1973/junho 1974.

RIBEIRO, Nelson de Figueiredo. A questão geopolítica da Amazônia: da soberania difusa à soberania restrita. Brasília: Senado Federal, 2005.

ROESSING, Antonio Carlos; LAZZAROTTO, Joelsio José. Criação de empregos pelo complexo industrial da soja. Londrina (PR): EMBRAPA, 2004.

SANTOS, Breno Augusto dos. Amazônia: potencial mineral e desenvolvimento. São Paulo: UNESP, 1981.

SCLIAR, Claudio. Geopolítica das minas no Brasil: a importância da mineração para a sociedade. Rio de Janeiro: Revan, 1996.

SECRETARIA DE PLANEJAMENTO DO ESTADO DE RORAIMA (SEPLAN). Indicadores econômicos de crescimento e desenvolvimento do Estado de Roraima. Boa Vista: DEES/SEPLAN, 2009.

TAVARES, Vânia Porto; CONSIDERA, Cláudio Monteiro; SILVA, Maria Thereza L. L. de Castro e. Colonização dirigida no Brasil: suas possibilidades na região amazônica. Rio de Janeiro: IPEA, 1972.

UHLIG, Alexandre; GOLDEMBERG, José; COELHO, Suani Teixeira. O uso de carvão vegetal na indústria siderúrgica brasileira e o impacto sobre as mudanças climáticas. Revista brasileira de energia, Rio de Janeiro, vol. 14, n. 2, p. 67-85, 2008.

VILLAS-BÔAS, Ana Lúcia. Mineração e desenvolvimento econômico: a questão nacional nas estratégias de desenvolvimento do setor mineral (1930 –1964). Rio de Janeiro: CNPq/CETEM, 1995.

VILLAS-BÔAS, Ana Lúcia. Mineração e desenvolvimento econômico: o projeto nacional no contexto da globalização (1964 –1994). Rio de Janeiro: CNPq/CETEM, 1995.




DOI: http://dx.doi.org/10.18224/baru.v4i2.6938

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Rodapé - Baru
 

Este obra está licenciada com uma Licença Creative Commons - Atribuição Sem Derivações 4.0 CC BY-NC-ND


BARU | Revista Brasileira de Assuntos Regionais e Urbanos | Mestrado em Desenvolvimento e Planejamento Territorial da PUC Goiás | e-ISSN 2448-0460 | Qualis CAPES Preliminar 2019 = B1

Visitantes - (24/08/2017 - 03/12/2019)

Fonte: Google Analytics.