ASCENSÃO E QUEDA DE UM CENTRO INDUSTRIAL URBANO: A PENÍNSULA DE ITAPAGIPE EM SALVADOR/BAHIA

José Gileá de Souza, Laumar Neves de Souza, Noelio Dantasle Spinola

Resumo


O objetivo deste artigo é apresentar aspectos sobre a história e o patrimônio industrial da Península de Itapagipe, descrevendo a trajetória de sua ocupação. Para dar conta dessa empreitada, lançou-se mão de uma abordagem histórico-documental, o que contemplou um estudo do passado e do presente dessa península, com vistas a resgatar parte da história das organizações industriais que lá existiram. Ao realizar esse exercício investigativo, foi possível constatar que esse território experimentou várias transformações, que se fizeram acompanhar e/ou implicaram em mutações no seu tecido urbano, seja por que derivaram de mudanças importantes em termos demográficos, seja porque determinaram novas aplicações e usos para o solo, as quais, é bom que se diga, nem sempre estiveram em sintonia com o que determinava o crivo da legislação que normatizava essa questão.

Palavras-chave


Indústria; Salvador; Península de Itapagipe.

Texto completo:

PDF

Referências


A TARDE. Chadler terá um prazo para deixar Roma. Jornal A Tarde, Salvador, 29 de janeiro de 1991.

ALMEIDA, Caliane C. O. de. Habitação social no Nordeste: a atuação das CAPs e doa IAPs (1930-1964). 2012, 383 fl. Tese (Doutorado em Arquitetura e Urbanismo) - Universidade Federal da Bahia (UFBA), Salvador, 2012.

BAHIA. Falla que recitou o presidente da província da Bahia, o Dezenbargador conselheiro Francisco Gonçalves Martins, n’abertura da Assembléa Legislativa da mesma província, em 4 de julho de 1849. Bahia: Typographia de Salvador Moitinho, 1849.

BAHIA. Falla que recitou o presidente da província da Bahia, o Desembargador Conselheiro Francisco Gonçalves Martins, n’abertura da Assembléa Legislativa da mesma província, no 1. de março de 1852. Bahia: Typographia Const. de Vicente Ribeiro Moreira, 1852.

BAHIA. Falla que recitou o exm. presidente da provincia da Bahia, dr. João Mauricio Wanderley, na abertura da Assembléa Legislativa da mesma província no 1.o de março de 1853. Bahia: Typographia de Antonio Olavo da França Guerra, 1853.

BAHIA. Falla recitada na abertura da Assembléa Legislativa Provincial da Bahia pelo presidente da provincia o Doutor Francisco Xavier Paes Barreto. Bahia: Typographia de Antonio Olavo da França Guerra, 1859.

BAHIA. Falla que, recitou na abertura da Assembléa Legislativa da Bahia, o vice-presidente da provincia Dr. José Augusto Chaves. Bahia: Typographia de Antonio Olavo da França Guerra, 1861.

CÂMARA. Marcos Paraguassú de Arruda. Conceição e Pilar: freguesias seculares do Centro econômico e do Porto de Salvador até o século XIX. 1989, 213 fl. Dissertação (Mestrado em História) - Faculdade de Filosofia e Ciências Humanas (FFCH), Universidade Federal da Bahia (UFBA), Salvador, 1989.

CARDOSO, Ceila Rosana Carneiro. As fábricas na península: Itapagipe como sítio industrial da Salvador Moderna. Revista Arquitextos, ano 11, mai. 2011. Disponível em: http://www.vitruvius.com.br/revistas/read/arquitextos/11.132/3894. Acesso em: 2 jan. 2018.

CARVALHO, Carlos Alberto de. Tradições e milagres do Bomfim: obra seguida de interessante resenha histórica da Península de Itapagipe. Bahia: Typ. Bahiana, 1915.

CARVALHO, Eduardo Teixeira de. Os Alagados da Bahia: intervenções públicas e apropriação informal do espaço urbano. 2002, 307fl. Dissertação (Mestrado em Arquitetura e Urbanismo) - Universidade Federal da Bahia (UFBA), Salvador, 2002.

CAMARGO, Maria Vidal de Negreiros. Fratelli Vita: sabor e brilho na Península de Itapagipe. In: FLEXOR, Maria Helena Ochi; SCHWEIZER, Peter José (org.). Península de Itapagipe: Patrimônio industrial e natural. Salvador: EDUFBA, 2011, p. 169-192.

CORREIO DA BAHIA. Renovação da licença da Chadler é negada. Jornal Correio da Bahia, Salvador, 29 de janeiro de 1991.

FERREIRA, Jaime de Moura. Itapagipe de minhas memórias: décadas de 1950 e 1960. Lauro de Freitas: [SN], 2005

FIPE. Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas. Plano Salvador 500: Avaliação do PDDU e da LOUOS em vigor e respectivas justificativas e recomendações para a proposta de revisão destes instrumentos. Relatório P4.1. São Paulo: FIPE, 2015.

FLEXOR, Maria Helena Ochi. Luiz Tarquínio: a Companhia Empório Industrial do Norte. In: FLEXOR, Maria Helena Ochi; SCHWEIZER, Peter José (org.). Península de Itapagipe: Patrimônio industrial e natural. Salvador: EDUFBA, 2011, p. 143-168.

GARCIA, Rodolfo. Cartas de Luiz Joaquim dos Santos Marrocos, escritas do Rio de Janeiro à sua família em Lisboa, de 1811 a 1821 - Carta n. 52. In: BIBLIOTECA NACIONAL DO RIO DE JANEIRO, Volume LVI. Anais [...]. Rio de Janeiro: Serviço Gráfico do Ministério da Educação, 1939.

IBGE. INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Sinopse do Censo Demográfico 2010. Disponível em: https://censo2010.ibge.gov.br/sinopse/index.php?dados=6. Acesso em: 9 jan. 2018.

IDADE D’OURO DO BRAZIL. Bahia, 14 de maio de 1811. Idade d'Ouro do Brazil, Bahia, 14 mai. 1811, p. 3.

IDADE D’OURO DO BRAZIL. Bahia. Idade d'Ouro do Brazil, Suplemento extraordinário. Bahia, 6 jul. 1813a, p. 4.

IDADE D’OURO DO BRAZIL. Avisos. Idade d'Ouro do Brazil, Bahia, 30 ago. 1814b, p.4.

IDADE D’OURO DO BRAZIL. Avisos. Idade d'Ouro do Brazil, Bahia, 17 nov. 1815c. p. 4.

INSTITUTO CULTURAL CASA VIA MAGIA. Memória em Movimento: na terra e nas águas de Itapagipe. Enciclopédias da Cidade – Volume V. Salvador: Instituto Cultural Casa Via Magia, 2007.

IPHAN. Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional. Festa do Bonfim: A maior manifestação religiosa popular da Bahia. Brasília: IPHAN, 201-.

JOÃO VI. Alvará de 1 de abril de 1808. Permitte o livre estabelecimento de fabricas e manufacturas no Estado do Brasil. Coleção das leis do Brazil de 1808. Rio de Janeiro: Imprensa Nacional, 1891a.

JOÃO VI. Alvará de 28 de abril de 1809. Isenta de direitos ás materias primaz do uso das fabricas e concede outros favores aos fabricantes e da navegação Nacional. In: Coleção das leis do Brazil de 1809. Rio de Janeiro: Imprensa Nacional, 1891b.

JOÃO VI. Carta de Lei de 26 de fevereiro de 1810. Ratifica o Tratado de commercio e navegação entre o Principe Regente de Portugal e EI Rey do Reino Unido da Grande Bretanha e Irlanda assignado no Rio de Janeiro aos 18 deste mez e anno. In: Coleção das leis do Brazil de 1809. Rio de Janeiro: Imprensa Nacional, 1891c.

LEITE E ALVES. Histórico. 2018. Disponível em: http://www.charutosleitealves.com.br/portugues/. Acesso em: 24 maio 2018.

LUTHER, Aline de Carvalho. Patrimônio arquitetônico industrial na Península de Itapagipe: um estudo para preservação. 2012, 316 fl. Dissertação (Mestrado em Conservação e Restauro) - Universidade Federal da Bahia (UFBA), Salvador, 2012.

MARIA, I. Alvará régio proibindo no Brasil todas as fábricas e manufaturas de ouro, prata, sedas, algodão, linho e lã, só permitindo as de fazenda grossa de algodão. Lisboa, Portugal: [s.n.], 1785.

MAROCCI, Gina Veiga Pinheiro. Idealização urbana no governo do 8º Conde dos Arcos. In: NASCIMENTO, Jaime; GAMA, Hugo (org.). A urbanização de Salvador em três tempos – Colônia, Império e República: textos críticos de história urbana. Salvador: Instituto Geográfico e Histórico da Bahia, 2011, v. 1, p. 83-113.

MATTEDI, Maria Raquel Mattoso. As Invasões em Salvador: Uma Alternativa Habitacional. 1979, 211fl. Dissertação (Mestrado em Ciências Sociais) - Universidade Federal da Bahia (UFBA), Salvador, 1979.

MATTOS, Waldemar. Panorama econômico da Bahia 1808-1960. Salvador: Assembleia Legislativa da Bahia, 2011.

MORAES. Alexandre José de Mello. Chronica geral e minuciosa do Imperio do Brazil: desde a descoberta do Novo Mundo ou America até o ano de 1879. Rio de Janeiro: Typographia Carioca, 1879.

OLIVEIRA, Mário Mendonça de. A defesa da Baía de Todos os Santos. In: CAROSO, Carlos; TAVARES, Fátima; PEREIRA, Cláudio. (org.). Baía de Todos os Santos: aspectos humanos. Salvador: EDUFBA, 2011, p. 129-202.

ORGANIZAÇÃO LEÃO DO NORTE. Nossa história. Disponível em: http://www.leaodonorte.com.br//historia. Acesso em: 29 mai. 2018.

PINHEIRO, Eloísa Petti. Europa, França e Bahia: difusão e adaptação de modelos urbanos (Paris, Rio e Salvador). Salvador: EDUFBA, 2011.

PIRES JÚNIOR, Christovão Dias de Ávila. Conferência proferida pelo eng. Militar Christovão Dias de Ávila Pires Junior, no Instituto Geográfico e Histórico da Bahia, em Salvador – Bahia, no dia 5 dez. 2002. Disponível em: http://www.casadatorre.org.br/vtorre.htm. Acesso em: 3 fev. 2018.

PMS. PREFEITURA MUNICIPAL DO SALVADOR. Atlas parcial da cidade do Salvador. Salvador: PMS, 1955.

SAES, Alexandre Macchione. Modernização e concentração do transporte urbano em Salvador (1849-1930). Revista Brasileira de História, São Paulo, v. 27, n. 54, p. 291-238, dez. 2007.

SAMPAIO, José Luis Pamponet. A evolução de uma empresa no contexto da industrialização brasileira: a Companhia Empório Industrial do Norte, 1991-1973. 1975, 236 fl. Dissertação (Mestrado em Ciências Sociais) - Universidade Federal da Bahia (UFBA), Salvador, 1975.

SANTANA, Mariely Cabral de. Alma e festa de uma cidade. In: NASCIMENTO, Jaime; GAMA, Hugo (org.). A urbanização de Salvador em três tempos – Colônia, Império e República: textos críticos de história urbana. Salvador: Instituto Geográfico e Histórico da Bahia, v. 2, p. 109-146, 2011.

SANTOS, Eulina Nascimento; SILVA, Sérgio Franklin Ribeiro. O recolhimento de acervos de instituições privadas extintas: o caso do parque industrial da Cidade Baixa e Península Itapagipana da cidade de Salvador. Informação Arquivística, v. 5, n. 1, p. 3-26, jan./jun., 2016.

SANTOS, Milton. Localização industrial em Salvador. Revista Brasileira de Geografia, Rio de Janeiro, ano 20, n. 3, p. 245-276, jul./set. 1958.

SANTUÁRIO SENHOR DO BONFIM. História do Santuário. Disponível em: http://www.santuariosenhordobonfim.com/historia#. Acesso em: 14 fev. 2018.

SCHWEIZER, Peter José. Patrimônio histórico: quando a cidade vira mercadoria. In: FLEXOR, Maria Helena Ochi; SCHWEIZER, Peter José (org.). Península de Itapagipe: Patrimônio industrial e natural. Salvador: EDUFBA, 2011, p. 135-141.

SOUSA, Gabriel Soares. Tratado descriptivo do Brasil em 1587. Rio de Janeiro: Typographia de João Ignacio da Silva, 1879.

SOUZA, Ângela Gordilho. Favelas, invasões e ocupações coletivas nas grandes cidades brasileiras – (re) qualificando a questão para Salvador- BA. Cadernos Metrópole, São Paulo, n. 5, p. 63-89, 2001.

SOUZA CRUZ. Nossa história. Disponível em: http://www.souzacruz.com.br/group/sites/SOU_AG6LVH.nsf/vwPagesWebLive/DOAG7DXA. Acesso em: 24 maio 2018.

SPINOLA, Noelio Dantaslé. Política de localização industrial e desenvolvimento regional: a experiência da Bahia. Salvador: Unifacs, 2003.

VIANNA, Francisco Vicente. Memórias sobre o Estado da Bahia. Bahia: Typographia e Encadernação do Diario da Bahia, 1893.

VARNHAGEN. Francisco Adolfo de. História geral do Brazil antes da sua separação e independência de Portugal. Rio de Janeiro: E. & H. Laemmert, 1877a. Tomo I.

VARNHAGEN. Francisco Adolfo de. História geral do Brazil antes da sua separação e independência de Portugal. Rio de Janeiro: E. & H. Laemmert, 1877b. Tomo II.




DOI: http://dx.doi.org/10.18224/baru.v5i2.7867

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Rodapé - Barú
 

Este obra está licenciada com uma Licença Creative Commons - Atribuição Sem Derivações 4.0 CC BY-NC-ND


BARU | Revista Brasileira de Assuntos Regionais e Urbanos | Mestrado em Desenvolvimento e Planejamento Territorial da PUC Goiás | e-ISSN 2448-0460 | Qualis CAPES Preliminar 2019 = B1

Visitantes - (24/08/2017 - 25/06/2020)

Fonte: Google Analytics.