MODELO CONFLITUAL/CONTRADIÇÃO/DIALÉTICO PARA ENTENDER OS DIREITOS HUMANOS/JUSTIÇA NA BÍBLIA (1 Co 12,14-27)

Joel Antonio Ferreira

Resumo


A leitura sociológica pelo Modelo Conflitual, ajuda o leitor/intérprete, além da “situação vital” em que o texto foi escrito, a conhecer o “lugar social” de toda a narrativa. A leitura conflitual da Bíblia, como fundamento epistemológico, tem a afirmação de que a “sociologia crítica” é um válido instrumento de crítica da ordem estabelecida (funcionalista). Buscando o “lugar social” dos textos bíblicos, ouvindo a voz dos marginalizados e oprimidos, esta leitura é, sempre, uma denúncia à voz dos dominadores. Ela vai, por opção acadêmica, explicitando os personagens, os grupos da “margem”: os que vivem nas periferias, os que não têm voz e nem espaço. Por isso, o leitor/intérprete precisa estar em atitude de “suspeição”: os insignificantes, pela visão assimétrico-dominadora, passam a ter um significado vital. O “lugar social” dos abandonados e esquecidos torna-se um espaço primordial. Desse modo, a Justiça e os Direitos Humanos serão vistos de modo “cristalino”, a partir de 1 Cor 12,14-27.

CONFLITUAL/CONTRADICTION/DIALETIC MODEL TO UNDERSTAND HUMAN RIGHTS/JUSTICE IN THE BIBLE (1 Cor 12,14-27)
The sociological reading of the Conflict Model helps the reader / interpreter, besides the "vital situation" in which the text was written, to know the "social place" of the whole narrative. The conflictive reading of the Bible as an epistemological foundation has the assertion that "critical sociology" is a valid instrument of criticism of established order (functionalist sociology). Seeking the "social place" of biblical texts, listening to the voice of the marginalized and oppressed, this reading is always a denunciation to the voice of the dominators. She will, by academic option, explaining the characters, the "margin" groups: those who live in the peripheries, those who have no voice or space. Therefore, the reader / interpreter must be in an attitude of "suspicion": the insignificant, by the asymmetric-domineering vision, come to have a vital meaning. The "social place" of the abandoned and forgotten ones becomes a primordial space. In this way, Justice and Human Rights will be seen in a crystalline way, from 1 Cor 12:14-27.

Palavras-chave


Bíblia; Conflito/contradição; Margem; Suspeição; Justiça; Bible; Conflict/contradiction; Margin; Suspicion; Justice

Texto completo:

PDF

Referências


ALVAREZ-VERDES, "El Método Sociológico en la Investigación Bíblica Actual". StMor, n. 27, p. 5-41, 1989.

CATANI, Afrânio Mendes. O que é Capitalismo. 29. ed. São Paulo: Brasiliense, 1991.

COSTA, S. Comuna de Paris O Proletariado Toma o Céu de Assalto. Goiânia: Ed. UCG e Anita Garibaldi, 1998.

COSTA, S., SANTOS, N. Positivismo e República. Concepções e Formação do Estado Brasileiro. Goiânia: Ed. da UCG, 2004.

FERREIRA, Joel Antônio. Paulo, Jesus e os Marginalizados. 2. ed. Goiânia: Ed. da PUC Goiás, 2011.

FERREIRA, Joel A. Primeira Epístola aos Coríntios. S. Paulo: Fonte Editorial, 2013.

GORGULHO, G.; ANDERSON, A. F. "A Leitura Sociológica da Bíblia". Estudos Bíblicos, n. 2, p. 6-10, 1987.

HOUTART, François. Religião e Modos de Produção Pré-Capitalistas. São Paulo: Ed. Paulinas, 1982.

IANNI, O. (Org.). Florestan Fernandes: Sociologia Crítica e Militante. S. Paulo: Expressão Popular, 2004.

KONINGS, J. A Leitura da Bíblia. In Estudos Bíblicos. Petrópolis: Vozes, n. 32, p. 70-1, 1992.

MACMÜLLEN, Ransay. Les Repports entre les Classes Sociales dans l’Empire Romain. Paris: Ed. du Seuil, 1986.

MADURO, O. Religião e Luta de Classes. Petrópolis: Vozes, 1983.

MALINA, Bruce J. "The Social Sciences and Biblical Interpretation". Int, n. 37, p. 229-235, 1982.

MURPHY O’CONNOR, Jerome. Paulo Biografia Crítica. São Paulo: Loyola, 2000.

NASCIMENTO, Telma Ferreira. Uma Aproximação às Bases Teóricas do Individualismo Moderno. Fragmentos de Cultura, Goiânia, v. 14, n. 3, p. 577-8, 2004.

OSIEK, Carolyn, "The New Handmaid: The Bible and the Social Sciences". TS, n. 50, p. 260-278, 1989.

ULIANOV, Vladimir Ilitch. O que é o Marxismo? 2.ed. Lisboa: Ed. Estampa,1973.




DOI: http://dx.doi.org/10.18224/cam.v16i2.6663

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2018 Joel Antonio Ferreira

 

Este obra está licenciada com uma Licença Creative Commons - Atribuição Sem Derivações 4.0 CC BY-NC-ND


CAMINHOS | Revista do Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu em Ciências da Religião da Pontifícia Universidade Católica de Goiás | e-ISSN 1983-778X | Qualis B1

Visitantes - (01/01/2006 - 20/11/2018)
País Usuários
Brasil 39.977 - 93,63%
Estados Unidos 813 - 1,90%
França 286 - 0,67%
Portugal 190 - 0,44%
Coréia do Sul 127 - 0,30%
Alemanha 87 - 0,20%
Reino Unido 82 - 0,19%
México 78 - 0,18%
Moçambique 69 - 0,16%
Total 43.121

Fonte: Google Analytics.