AS MULHERES E A VIOLÊNCIA DE GÊNERO NO BRASIL

Claudia Danielle Andrade Ritz

Resumo


No Brasil, as Leis 11.340/2006 (Maria da Penha), 13.104/2015 (Feminicídio) e 13.718/2018 (Importunação Sexual) buscam coibir ações violadoras contra as mulheres. Não obstante, os índices de violência contra mulheres no Brasil continuam alarmantes. Por isso, objetivamos uma reflexão que considere a violência, as relações de gênero e o perfil nacional predominantemente cristão, a partir dos aspectos sociorreligiosos e jurídicos presentes na violência contra as mulheres. Nossa metodologia compreende referencial bibliográfico, dados estatísticos contidos no Mapa da Violência 2015, no CENSO religioso 2010 e a legislação vigente.

Palavras-chave


Mulheres; Violência; Relações de Gênero; Religião no Brasil; Women; Violence; Gender relations; Religion in Brazil.

Texto completo:

PDF

Referências


ARENDT, Hannah. Sobre a violência. Tradução: André Duarte. Rio de Janeiro: Relume-Dumará, 1994.

ATLAS DA VIOLÊNCIA 2018. Violência contra mulheres. Disponível em: http://www.ipea.gov.br/portal/index.php?option=com_content&view=article&id=33410&Itemid=43. Acesso em: 20 dez. 2018.

BINGEMER, Maria Clara L. O segredo feminino do mistério: ensaio de teologia na ótica da mulher. Petrópolis: Vozes, 1991.

BOURDIEU, Pierre. A dominação masculina: a condição feminina e a violência simbólica. 4. ed. Rio de Janeiro: Bestbolso, 2017.

BRASIL. Planalto. Lei 11.340 de 07 de agosto de 2006. Disponível em: http://www.planalto.gov.br. Acesso em: 27 set. 2017.

BRASIL. Planalto. Lei 13.104 de 09 de março de 2015. Disponível em: http://www.planalto.gov.br. Acesso em: 27 set. 2017.

BRASIL. Planalto. Lei 13.718 de 24 de setembro de 2018. Disponível em: http://www.planalto.gov.br. Acesso em: 20 dez. 2018.

CANTO-SPERBER, Monique. (org.). Dicionário de Ética e Filosofia Moral. Volume 2. São Leopoldo: Unisinos, 2003.

CRENSHAW, Kimberlé. Demarginalizing the Intersection of Race and Sex: A Black Feminist Critique of Antidiscrimination Doctrine, Feminist Theory, and Antiracist Politics. University of Chicago Legal Forum, 1989, p. 538–554.

CHAUÍ, Marilena. Sobre a violência. In: ITOKAZU, Ericka Marie; CHAUI-BERLINCK, Luciana (orgs.). Belo Horizonte: Autêntica, 2017.

DAS, Veena. Entre palavras e vidas: Um pensamento de encontro com margens, violências e sofrimentos - Entrevista com Veena Das. Tradução de Carolina Christoph Grillo. Rio de Janeiro: Revista Dilemas, 2012, p. 335 – 356. Disponível em: https://revistas.ufrj.br/index.php/dilemas/article/view/7331. Acesso em: 26 mar. 2019.

GEBARA, Ivone. Rompendo o silêncio. Uma fenomenologia feminista do mal. Petrópolis: Vozes, 2000.

HOOKS, Bell. Ain’t I a Woman? Black women and feminism. Cambridge, MA: South End, 1981.

HOUAISS, Antônio. Referência. In: HOUAISS, Antônio. Dicionário Houaiss da Língua Portuguesa. São Paulo: Editora Objetiva, 2009.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Estatística de Gênero no Brasil. Indicadores sociais das mulheres no Brasil. Disponível em https://www.ibge.gov.br. Acesso em: 27 set. 2017.

IPEA. Pesquisa de Estupros no Brasil. Disponível em: http://www.ipea.gov.br>; http://sinan.saude.gov.br. Acesso em: 10 fev. 2018.

RICHTER REIMER, Ivoni (org.). Direitos humanos: enfoques bíblico, teológicos e filosóficos. Goiânia: Ed. da PUC Goiás; São Leopoldo: Oikos, 2011.

RITZ, Claudia Danielle de Andrade. A casa das sete mulheres. Revista Mandrágora. v. 24, n. 1, p. 95-125. Disponível em: http://https://www.metodista.br/revistas/revistas-ims/index.php/MA/article/view/8811/6308. Acesso em: 29 mar. 2019.

RITZ, Claudia Danielle de Andrade. A casa purpura e escarlate: Um estudo sobre os aspectos sociorreligiosos da violência doméstica experienciada por sete mulheres pentecostais. Dissertação de mestrado). 213 fls. PUC Minas, 2018.

SCOTT, Joan W. Gênero: uma categoria útil para análise histórica. Tradução: Christine Rufino Debat e Maria Betânia Ávila. New York: Columbia University Press, 1989. Disponível em: https:www//edisciplinas.usp.br. Acesso em 27 jan. 2018.

SOUZA, Sandra Duarte de. Estudos feministas e religião, tendências e debates. Volume 2, Curitiba: Prismas, 2015. Cap. 1. 7 - 34.

WAISEL¬SZ, Júlio Jacobo. Mapa Nacional da Violência de 2015: Homicídios de Mulheres. Disponível em: http://www.mapadaviolencia.org.br. Acesso em: 06 nov. 2017.

WEBER, Max. Economia e sociedade. 2. ed. Vol 1. Tradução de Regis Barbosa e Karen Elsabe. São Paulo: Editora da UnB, 2004.

ZIRBEL, Ilze. Estudos feministas e estudos de gênero no Brasil: um debate. Dissertação (Mestrado do Programa de Pós-Graduação em Sociologia Política) – Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2007. Disponível em: http://www.ufsc.academia.edu. Acesso em: 28 ago. 2018.




DOI: http://dx.doi.org/10.18224/cam.v17i2.7022

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2019 Claudia Danielle Andrade Ritz

Rodapé - Caminhos
 

Este obra está licenciada com uma Licença Creative Commons - Atribuição Sem Derivações 4.0 CC BY-NC-ND


CAMINHOS | Revista do Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu em Ciências da Religião da Pontifícia Universidade Católica de Goiás | e-ISSN 1983-778X | Qualis CAPES Preliminar 2019 = A3

Visitantes - (09/03/2016 - 03/12/2019)

Fonte: Google Analytics.