O (não) lugar da educação dos jovens trabalhadores

José Carlos Moreira de Souza, Maria Margarida Machado

Resumo


Resumo: O presente artigo objetiva apresentar e debater uma concepção de educação dos trabalhadores expressa na rede federal de educação profissional, numa análise histórica da constituição desta rede, desde sua origem a partir de 1909, até sua (re)configuração, em curso desde 2008, com a criação dos Institutos Federais de Educação, Ciência e Tecnologia. O
estudo parte do discurso oficial dos fins e princípios de uma educação para os trabalhadores e tenciona a indicação da atual configuração desta rede como um possível instrumento orgânico que oportuniza à sociedade uma formação tecnológica para além das bases mercadológicas. As evidências indicam que esta intencionalidade de formação não se concretiza e que os trabalhadores pobres e sem escolarização básica ainda permanecem fora das ações efetivas da rede pública de educação profissional e tecnológica.

Palavras-chave: educação profissional, formação dos trabalhadores, institutos federais.

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.18224/educ.v17i1.3598

Direitos autorais

Rodapé - Educativa
 

Este obra está licenciada com uma Licença Creative Commons - Atribuição Sem Derivações 4.0 CC BY-NC-ND


EDUCATIVA | Revista do Programa de Pós-Graduação em Educação - PPGE | Pontifícia Universidade Católica de Goiás | e-ISSN 1983-7771 | Qualis CAPES Preliminar 2019 = B1

Visitantes - (04/09/2017 - 25/06/2020)

Fonte: Google Analytics.