Polisse e a dimensão (in)dizível da violência contra crianças e adolescente

Glacy Queirós de Roure

Resumo


Resumo: A teoria psicanalítica referenda a proposta deste artigo de discutir
sobre o filme francês Polissia (2011), de Maïwenn Le Besco. A análise
incide sobre um cinema cuja estética obstaculiza a presença de representações
idealizantes sobre a infância. Reflete sobre o modo como crianças
e adolescentes tem sido violentados no mundo adulto problematizando a
existência de uma espécie de silenciamento a que esses sujeitos são submetidos
em situações de proteção e acolhimento. Interpretada e enquadrada,
a partir de uma discursividade centrada nas categorias agressor e vítima, o
comum desconsiderar na fala da criança a condição de enigma que reveste
toda e qualquer narrativa que envolva situações de abuso e violência.

Palavras-chave: Crianças e adolescentes, Abuso e violência, Infância.

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.18224/educ.v19i3.5429

Direitos autorais 2017 Glacy Queirós de Roure

Rodapé - Educativa
 

Este obra está licenciada com uma Licença Creative Commons - Atribuição Sem Derivações 4.0 CC BY-NC-ND


EDUCATIVA | Revista do Programa de Pós-Graduação em Educação - PPGE | Pontifícia Universidade Católica de Goiás | e-ISSN 1983-7771 | Qualis B1

Visitantes - (01/01/2006 - 18/06/2019)
País Usuários
Brasil 23.489
Estados Unidos 762
Portugual 366
França 293
Moçambique 204
Angola 184
Espanha 75
Reino Unido 67
México 46
Total 26.138

Fonte: Google Analytics.