TENSÕES QUE MARCAM A INCLUSÃO DIGITAL POR MEIO DA EDUCAÇÃO NO CONTEXTO DE POLÍTICAS NEOLIBERAIS

Joana Peixoto, Adda Daniela Lima Figueiredo Echalar

Resumo


Analisamos o conteúdo de políticas públicas (BRASIL, 2014, 2011; KING, 2011; OCDE, 2015; WILSON et al., 2013; UNESCO 2009a, 2009b, 2009c) com o objetivo de desvelar as intencionalidades que fomentam a inserção das tecnologias digitais em rede em processos educativos por meio da inclusão digital. Foram identificados dois blocos temáticos: 1. a inserção dos países ditos em desenvolvimento na lógica digital como recurso para a empregabilidade e o crescimento econômico; 2. a inovação pedagógica com uso de tecnologias. Concluímos que os documentos expressam políticas que são geradoras de novos mecanismos de exclusão e ampliam o lastro das desigualdades econômicas e sociais.

Palavras-chave


Tecnologias e educação. Inclusão digital pela via da educação. Inovação pedagógica. Formação de professores. Technology and education. Digital inclusion through education. Pedagogical innovation. Teacher formation.

Texto completo:

PDF

Referências


BARRETO, Raquel Goulart. As políticas de formação de professores: novas tecnologias e educação à distância. In: BARRETO, Raquel Goulart (Org.). Tecnologias educacionais e educação à distância: avaliando políticas e práticas. Rio de Janeiro: Quartet, 2001. p. 10-28.

BARRETO, Raquel Goulart. Mudaram os textos. E as leituras nas escolas? A página, Lisboa, ano 15, n. 155, p. 2, abr. 2006. Disponível em: http://www.apagina.pt/arquivo/artigo.asp?ID=4509. Acesso em: 20 jul. 2016.

BARRETO, Raquel Goulart. Configuração da política nacional de formação de professores a distância. Em Aberto, Brasília, v. 23, n. 84, p. 17-30, 2010.

BRASIL. Programa de fomento à elaboração e à implantação de projetos de inclusão digital: informatização de escolas públicas. Ago. 2011. Disponível em: http://www.mct.gov.br/upd_blob/0217/217384.doc. Acesso em: 19 jul. 2016.

BRASIL. Presidência da República. Lei n. 13.005, de 25 de junho de 2014. Aprova o Plano Nacional de Educação - PNE e dá outras providências. Brasília: Casa Civil, 2014. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2011- 2014/2014/Lei/L13005.htm. Acesso em: 24 fev. 2016.

DALE, Roger. Globalização e educação: demonstrando a existência de uma “cultura educacional mundial comum” ou localizando uma “agenda globalmente estruturada” para a educação. Educação, Sociedade & Culturas, Porto, n. 16, p. 133-169, 2001.

DECKER, Aline Inácio. A formação docente no projeto político do Banco Mundial (2000-2014). 2015. 234 f. Dissertação (Mestrado em Educação) - Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, Santa Catarina, 2015.

DWYER, Tom; JACQUES, Wainer; DUTRA, Rodrigo Silveira; COVIC, André; MAGALHÃES, Valdo de Barros; FERREIRA, Luiz Renato Ribeiro; PIMENTA, Valdiney Alves; CLAUDIO, Kleucio. Desvendando mitos: os computadores e o desempenho no sistema escolar. Educação e Sociedade, Campinas, v. 28, n. 101, p. 1303-1328, 2007.

ECHALAR, Adda Daniela Lima Figueiredo. Formação de professores para a inclusão digital via ambiente escolar: o PROUCA em questão. 2015. 147 f. Tese (Doutorado em Educação) - Pontifícia Universidade Católica de Goiás, Goiânia, Goiás, 2015.

ECHALAR, Adda Daniela Lima Figueiredo; PEIXOTO, Joana. Inclusão excludente e utopia digital: a formação docente no Programa Um Computador por Aluno. Educar em Revista, Curitiba, v. 61, p. 205-222, 2016.

FREITAS, Luiz Carlos de. Os reformadores empresariais da educação: a consolidação do neotecnicismo no Brasil. In: FONTOURA, Helena Amaral da. Políticas públicas, movimentos sociais: desafios à Pós-graduação em Educação em suas múltiplas dimensões. Coleção ANPED Sudeste 2011 (Livro 3), 2011. p. 72-90. Disponível em: http://www.fe.ufrj.br/anpedinha2011/ebook3.pdf. Acesso em: 10 out. 2016.

FREITAS, Luiz Carlos de. Os reformadores empresariais da educação: da desmoralização do magistério à destruição do sistema público de educação. Educ. Soc., Campinas, v. 33, n. 119, p. 379-404, abr.-jun. 2012.

KING, Elizabeth (Org.). Aprendizagem para todos: Investir nos Conhecimentos e Competências das Pessoas para Promover o Desenvolvimento. Estratégia 2020 para a educação do Grupo Banco Mundial - Resumo Executivo. Washington, DC: Banco Mundial, 2011. Disponível em: http://siteresources.worldbank.org/EDUCATION/Resources/ESSU/463292-1306181142935/Portguese_Exec_Summary_ESS2020_FINAL.pdf. Acesso em: 19 jul. 2016.

MARX, Karl. O capital: crítica da economia política. v. I, tomo I, São Paulo: Nova Cultural Ltda., 1996. (Coleção Os Economistas).

MARX, Karl; ENGELS, Friedrich. Manuscritos econômico-filosóficos. Tradução de Jesus Ranieri. São Paulo: Boitempo, 2004.

MARX, Karl. A Ideologia Alemã. São Paulo: Boitempo, 2007.

OCDE. Students, computers and learning: Making the Connection, PISA, OECD Publishing. 2015. Disponível em: http://www.oecd-ilibrary.org/docserver/download/9815021e.pdf?expires=1472394726&id=id&accname=guest&checksum=BFF1726C233CEB9ED867FA3EEA564F5D. Acesso em: 22 jul. 2016.

PAULANI, Leda Maria. O projeto neoliberal para a sociedade brasileira: sua dinâmica e seus impasses. In: NEVES, Lúcia; LIMA, Júlio César (Orgs.). Fundamentos da educação escolar do Brasil contemporâneo. Rio de Janeiro: FioCruz, 2006. p. 67-105. Disponível em: http://www.epsjv.fiocruz.br/upload/d/CAPITULO_2.pdf. Acesso em: 10 out. 2016.

PEIXOTO, Joana. A inovação pedagógica como meta dos dispositivos de formação a distância. Eccos Revista Científica, São Paulo, v. 10, n. 1, p. 39-54, 2008.

PEIXOTO, Joana. Relações entre sujeitos sociais e objetos técnicos uma reflexão necessária para investigar os processos educativos mediados por tecnologias. Revista Brasileira de Educação, Rio de Janeiro, v. 20, n. 61, p. 317-332, 2015.

RAVITCH, Diane. The death and life of the great American school system. How testing and choice are undermining education. New York: Basic Books, 2010.

SHIROMA, Eneida Oto; MORAES, Maria Célia Marcondes de; EVANGELISTA, Olinda. Política educacional. 4 ed. Rio de Janeiro: Lamparina, 2007.

SHIROMA, Eneida Oto. Redes sociais e hegemonia: apontamentos para estudos de política educacional. In: AZEVEDO, Mário Luiz Neves de; LARA, Angela Mara de Barros (Orgs.). Políticas para a Educação: análises e apontamentos. Maringá: Eduem, 2011. p. 15-38.

UNESCO. Padrões de competências em TIC para professores: diretrizes de Implementação, versão 1.0, 2009a. Disponível em: http://unesdoc.unesco.org/images/0015/001562/156209por.pdf. Acesso em: 19 jul. 2016.

UNESCO. Padrões de competências em TIC para professores: módulos de padrão de competências. 2009b. Disponível em: http://unesdoc.unesco.org/images/0015/001562/156207por.pdf. Acesso em: 19 jul. 2016.

UNESCO. Padrões de competências em TIC para professores: marco político. 2009c. Disponível em: http://unesco.org/images/0015/001562/156210por.pdf. Acesso em: 19 jul. 2016.

WILSON, Carolyn et al. Alfabetização midiática e informacional: currículo para formação de professores. Brasília: UNESCO, UFTM, 2013. 194 p. Disponível em: http://unesdoc.unesco.org/images/0022/002204/220418por.pdf. Acesso em: 19 jul. 2016.




DOI: http://dx.doi.org/10.18224/educ.v20i3.6836

Direitos autorais 2018 Joana Peixoto, Adda Daniela Lima Figueiredo Echalar

 

Este obra está licenciada com uma Licença Creative Commons - Atribuição Sem Derivações 4.0 CC BY-NC-ND


EDUCATIVA | Revista do Programa de Pós-Graduação em Educação - PPGE | Pontifícia Universidade Católica de Goiás | e-ISSN 1983-7771 | Qualis B1

Visitantes - (01/01/2006 - 20/11/2018)
País Usuários
Brasil 15.020 - 90,19%
Estados Unidos 395 - 2,37%
França 284 - 1,71%
Portugal 214 - 1,29%
Moçambique 112 - 0,67%
Angola 106 - 0,64%
Espanha 48 - 0,29%
Reino Unido 47 - 0,28%
Alemanha 32 - 0,19%
Total 16.577

Fonte: Google Analytics