POR UMA FORMAÇÃO NÃO FASCISTA: EXPERIMENTAÇÕES DOCENTES NA CIBERCULTURA

Felipe da Silva Ponte de Carvalho, Fernando Pocahy, Edméa Oliveira dos Santos

Resumo


A cibercultura é a cultura contemporânea conectada pelas redes digitais, cultura que vem sendo marcada também por práticas de viés fascistas: racismo; machismo, LGBTIfobia, violência contra a mulher, xenofobia... Nesse sentido, esta pesquisa-formação na cibercultura tem como objetivo pensar-fazer a formação docente não fascista em tempos de cibercultura, a partir do cuidado de si, vida não fascista, cidadania horizontal, docência online e partilha. A pesquisa foi realizada com cursistas da disciplina de Informática na Educação do curso de Pedagogia Uerj/Cederj/UAB, por meio de duas ambiências híbridas-formativas em atos de currículo, que constituíram a “Aula 2 - Fascismo em rede”, criada pela plataforma Moodle, composta por artigos, vídeos, fórum de discussão e produção de histórias em quadrinhos. Ao experienciarmos o cotidiano desta pesquisa-formação encontramos: narrativas de cursistas que articulavam ideias para uma prática docente não fascista; narrativas da escola como um espaço-tempo plural e de problematização; ações cotidianas para discutir o fascismo que está em nós, em nossas práticas. Estas narrativas nos remetem a reflexões em torno de uma formação voltada para mais participação social em rede, inclusiva, múltipla.

Palavras-chave


Pesquisa-formação na cibercultura. Fascismo. Cidadania horizontal em rede. Cuidado de si. Formação docente online. Research-training on cyberculture. Fascism. Citizenship. The care of the self. Online teacher training.

Texto completo:

PDF

Referências


AGAMBEN, Giorgio. Estação de exceção: homo sacer, II, I. São Paulo: Boitempo, 2004.

ARDOINO, Jacques. Para uma pedagogia socialista. Brasília: PLANO editora, 2003.

BENTO, Berenice. Necrobiopolítica: quem pode habitar o Estado-nação? Cadernos pagu, v. 53, 2018.

BUTLER, Judith. Quadro de Guerra: quando a vida é passível de luto? Rio de Janeiro: Editora Civilização Brasileira, 2015.

BUTLER, Judith. Corpos que ainda importam. In: COLLING, Leandro (Org.). Dissidências sexuais e de gênero. Salvador: EDUFBA, 2016, p. 19-42.

CASTELLS, Manuel. O poder da comunicação. São Paulo/Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2015.

FOUCAULT, Michael. O Anti-édipo: uma introdução à vida não fascista. São Paulo, Cadernos de Subjetividade / Núcleo de Estudos e Pesquisas da Subjetividade do Programa de Estudos Pós-Graduados em Psicologia Clínica da PUC-SP, v. 1, n. 1, 1993, p. 197-200.

FOUCAULT, Michael. Aula de 7 de janeiro de 1976. Em defesa da sociedade: Curso no collège de France (1975- 1976). Tradução Man Paulo, São Paulo: Martins Fontes, 1999, p. 3-26.

FOUCAULT, Michael. Ética do cuidado de si como prática de liberdade. Ditos e escritos V. Rio de Janeiro: Forense editora, 2006, p. 264-287.

FOUCAULT, Michael. História da sexualidade: a vontade de saber. Volume 1, 2017.

GALLO, Silvio. Entre Édipos e O Anti-Édipo: estratégias para uma vida não fascista. In: RAGO, Margareth; VEIGA-NETO, Alfredo (Org.). Para uma vida não-fascista. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2015.

GUATTARI, Felix. A revolução molecular: pulsações políticas do desejo. São Paulo: Editora Brasiliense, 3º edição, 1987.

LEMOS, André. Cibercultura como território recombinante. In: MARTINS, Camila Duprat; CASTRO e SILVA; MOTTA, Renata (Org.). Territórios recombinantes: arte e tecnologia/ debates e laboratórios. São Paulo: Instituto Sergio Motta, p.35-48, 2007.

LEMOS, André. Cibercultura, tecnologia e vida social na cultura. Porto Alegre: Sulina, 4 ed. 2008.

LEMOS, André. Os sentidos da tecnologia: cibercultura e ciberdemocracia. In: LEMOS, André; LÉVY, Pierre (Org.). O futuro da internet: em direção a uma democracia planetária. São Paulo: Paulus, 2010.

LÉVY, Pierre. Cibercultura. Tradução Carlos Irineu da Costa. São Paulo: Ed. 34, 1999. (coleção Trans).

LOURO, Guacira Lopes. Um corpo estranho: ensaios sobre sexualidade e teoria queer. 2 Ed. Belo Horizonte: Autêntica, 2013.

LUCENA, Simone. Cultura digital e educação do século XXI. In: LUCENA, Simone (Org.). Cultural digital, jogos eletrônicos e educação. Salvador: EDUFBA, 2014, p. 11-16.

MACEDO, Roberto Sidnei. Currículo, diversidade e equidade: luzes para uma educação intercrítica. Salvador: EdUFBA, 2007.

MACEDO, Roberto Sidney. Atos de currículo e Autonomia Pedagógica: o socioconstrucionismo curricular em perspectiva. Petropólis, RJ: Vozes, 2013.

MBEMBE, Achille. Necropolíticas. Arte & Ensaios/Revista do ppgav/eba/ufrj, n. 32, dezembro de 2016.

NÓVOA, Antônio. Currículo e docência: a pessoa, a partilha, a prudência. Texto da palestra proferida no 1º Colóquio Internacional de Políticas Curriculares, no dia 13 de novembro de 2003.

POCAHY, Fernando. O clamor da diferença letal: educar em Estado de Exceção. Revista Ñanduti, v. 6, n. 8, p. 09-22, 2018.

POCAHY, Fernando, A.; DORNELLES, Priscila Gomes. Gênero, sexualidade e envelhecimento: mapeando a pesquisa e a intervenção social LGBT no Brasil. Journal of Studies in Citizenship and Sustainability, n. 2, 2017. Disponível em: http://civemorum.com.pt/artigos/1/JSCS.2_Pocahy&Dornelles_p123.138.pdf. Acesso em: 29 jun. 2017.

PRECIADO, Paul Beatriz. Cartografias Queer: o flâneur perverso, a lésbica topofóbica e a puta multicartográfica, ou como fazer uma cartografia da “Zorra” com Annie Sprinkle. Revista Perfomatus, Inhumas, ano 5, n. 17, jan. 2017.

RIBEIRO, Mayra Rodrigues Fernandes; CARVALHO, Felipe da Silva Ponte de; SANTOS, Rosemary dos. Ambiências híbridas-formativas na educação online: desafios e potencialidades em tempos de cibercultura. Revista Docência e Cibercultura, Rio de Janeiro, v. 2, n. 1, p. 1-13, jan./abr. 2018.

SANTAELLA, Lucia. A ecologia pluralista da Comunicação: conectividade, mobilidade, ubiquidade. São Paulo: Paulus, 2010.

SANTOS, Edméa Oliveira. Educação online como campo de pesquisa-formação: potencialida¬des das interfaces digitais. In: SANTOS, Edméa; ALVES, L. Práticas pedagógicas e tecnologias digitais. Rio de Janeiro: E-papers, 2006.

SANTOS, Edméa Oliveira. Pesquisa-formação na cibercultura. Santo Tirso: Whitebooks, 2014.

SANTOS, Edméa Oliveira; CARVALHO, Felipe da Silva Ponte; PIMENTEL, Mariano. Mediação docente para colaboração: notas de uma pesquisa-formação na cibercultura. Revista Educação Temática Digital (ETD), Campinas: SP, v. 18, n. 2, p. 23-42, jan./abr. 2016. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/etd/article/view/8640749/12238. Acesso em: 01 jul. 2017.

SILVA, Marco. Educação presencial e online: sugestões de interatividade na cibercultura. In: TRIVINHO, Eugênio; CAZELOTO, Edilson (Org.). Cibercultura e seu espelho: campo de conhecimento emergente e nova vivência humana na era da imersão interativa. São Paulo: ABCiber; Instituto Itaú Cultural, 2009, p. 166 (Coleção ABCiber, v.1), online. Disponível em: http://abciber.org.br/publicacoes/livro1/textos/educacao-presencial-e-online-sugestoes-de-interatividade-na-cibercultura/. Acesso em: 26 out. 2017.

SILVA NETO, José Leite. Horizontalidade e verticalidade da cidadania. São Paulo: Bauru, Editora Spessotto, 2016.




DOI: http://dx.doi.org/10.18224/educ.v20i3.6846

Direitos autorais 2018 Felipe da Silva Ponte de Carvalho, Fernando Pocahy, Edméa Oliveira dos Santos

 

Este obra está licenciada com uma Licença Creative Commons - Atribuição Sem Derivações 4.0 CC BY-NC-ND


EDUCATIVA | Revista do Programa de Pós-Graduação em Educação - PPGE | Pontifícia Universidade Católica de Goiás | e-ISSN 1983-7771 | Qualis B1

Visitantes - (01/01/2006 - 20/11/2018)
País Usuários
Brasil 15.020 - 90,19%
Estados Unidos 395 - 2,37%
França 284 - 1,71%
Portugal 214 - 1,29%
Moçambique 112 - 0,67%
Angola 106 - 0,64%
Espanha 48 - 0,29%
Reino Unido 47 - 0,28%
Alemanha 32 - 0,19%
Total 16.577

Fonte: Google Analytics