HISTÓRIA, MEMÓRIA E AQUISIÇÃO DE LÍNGUA PORTUGUESA NA ESCOLA: A DISCURSIVIDADE DA RECUPERAÇÃO PARALELA E O USO DAS TICS

Maristela Cury Sarian

Resumo


Este trabalho, inscrito na perspectiva da Análise de Discurso proposta por Pêcheux e Orlandi, apresenta a análise da atividade de língua portuguesa “Uso de laptop no reforço escolar”, realizada numa escola pública da cidade de São Paulo, extraída da página do Programa Um Computador por Aluno — PROUCA, a fim de dar visibilidade: às filiações de sentido das nomeações reforço escolar e recuperação paralela produzem em nossa sociedade; ao modo pelo qual o sujeito não alfabetizado é individualizado nessa discursividade; à memória da alfabetização em nossa formação social e à tensão língua imaginária e língua fluida nessa política de inclusão.

Palavras-chave


Alfabetização. Reforço. Inclusão digital. Literacy. Tutoring. Digital Inclusion.

Texto completo:

PDF

Referências


BAQUERO, F. G. O fracasso escolar de jovens e adultos e o imaginário social. 128p. Dissertação (Mestrado em Psicologia) - Universidade Católica de Brasília, Brasília, 2001.

BARBAI, M. A. Ideologia e inconsciente: educar é possível? In: ENELIN – ENCONTRO DE ESTUDOS DA LINGUAGEM, 4, 2011, Pouso Alegre. Anais... Disponível em: www.cienciasdalinguagem.net/enelin/anais/texts/95.pdf. Acesso em: 25 maio 2012.

BRASIL. LDB: Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional: Lei n. 4.024, de 20 de dezembro de 1961. Fixa as Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Disponível em: http://www2.camara.leg.br/legin/fed/lei/1960-1969/lei-4024-20-dezembro-1961-353722-publicacaooriginal-1-pl.html. Acesso em: 11 abr. 2012.

BRASIL. LDB: Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional: Lei nº 5.692, de 11 de agosto de 1971. Fixa Diretrizes e Bases para o ensino de 1° e 2º graus, e dá outras providências. Disponível em: http://www2.camara.gov.br/legin/fed/lei/1970-1979/lei-5692-11-agosto-1971-357752-publicacaooriginal-1-pl.html. Acesso em: 29 maio 2012.

BRASIL. LDB: Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional: Lei no 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. 5. ed. Brasília: Câmara dos Deputados, Coordenação Edições Câmara, 2010. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/arquivos/pdf/ldb.pdf LDB 1996. Acesso em: 11 abr. 2011.

BRASIL. Plano nacional de educação. Brasília: Senado Federal, UNESCO, 2001.

CHISS, J. L.; PUECH, C. De l´émergence disciplinaire à la didactisation des savoirs linguistiques: le tournant des années 60 et sés suítes. Langue Française, v. 117, n. 1, p. 6-21, 1998. Disponível em: http://www.persee.fr. Acesso em: 23 abr. 2012.

CURY, C. R. J. A educação escolar, a exclusão e seus destinatários. Educação em Revista, Belo Horizonte, n. 48, p. 205-222, 2008.

DIAS, C. P. Memória & escrita: o atravessamento de sentido das cartas no e-mail. Língua, sujeito & história, Santa Maria, n. 37, v. 18/ n. 2, p. 35-49, 2008.

DUARTE, N. As pedagogias do “aprender a aprender” e algumas ilusões da assim chamada sociedade do conhecimento. In: DUARTE, N. Sociedade do conhecimento ou sociedade das ilusões? Campinas: Autores Associados, 2008. p. 5-16.

GADET, F. et al. [1982]. Nota sobre a questão da linguagem e do simbólico em psicologia. Tradução Pedro de Souza. In: ORLANDI, E. P. (Org.). Análise de Discurso: Michel Pêcheux. Campinas: Pontes, 2011. p. 55-71.

GUIMARÃES, E. Os limites do sentido: um estudo histórico e enunciativo da linguagem. 3. ed. Campinas: Pontes, 2005.

LAGAZZI, Suzy Maria. O recorte e o entremeio: condições para a materialidade significante. In: INDURSKY, F.; FERREIRA, M. C. L.; MITTMANN, S. (Orgs.). O discurso na contemporaneidade: materialidades e fronteiras. São Carlos: Claraluz, 2009. p. 67-78.

MARIANI, B. S. C. As leituras da/na Rocinha. In: ORLANDI, E. P. (Org.). A leitura e os leitores. Campinas: Pontes, 1998. p. 105-126.

ORLANDI, E. P. Língua brasileira e outras histórias: discurso sobre a língua e ensino no Brasil. Campinas: RG, 2009.

ORLANDI, E. P. Análise de discurso: princípios e procedimentos. 7. ed. Campinas: Pontes, 2007.

ORLANDI, E. P. Cidade dos sentidos. Campinas: Pontes, 2004.

ORLANDI, E. P. Língua e conhecimento lingüístico. Campinas: Pontes, 2002.

ORLANDI, E. P.; GUIMARÃES, E. Formação de um espaço de produção lingüística: a gramática no Brasil. In: ORLANDI, E. P. (Org.). História das Ideias Linguísticas no Brasil: construção do saber metalingüístico e constituição da língua nacional. Campinas-SP: Pontes; Cáceres-MT: UNEMAT, 2001. p. 21-38.

PÊCHEUX, M. Semântica e discurso. 4 ed. Campinas: Editora da UNICAMP, 2009.

PÊCHEUX, M. Discurso: estrutura ou acontecimento. 5 ed. Tradução de Eni P. Orlandi. Pontes: Campinas, 2008.

PFEIFFER, C. R. O saber escolarizado como espaço de institucionalização da língua. In: GUIMARÃES, E.; BRUM DE PAULA, M. R. (Orgs.). Sentido e memória. Campinas: Pontes, 2005. p. 27-39.

PFEIFFER, C. R. Escola e divulgação científica. In: GUIMARÃES, E. (Org.). Produção e circulação do conhecimento: Estado, mídia, sociedade. Campinas: Pontes, 2001. p. 41-58, v. 1.

PFEIFFER, C. R. Bem dizer e retórica: um lugar para o sujeito. 185f. Tese (Doutorado em Linguística) - Instituto de Estudos da Linguagem, Unicamp. 2000.

PFEIFFER, C. R. Que autor é este? 146p. Dissertação (Mestrado em Linguística) – Instituto de Estudos da Linguagem, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, São Paulo, 1995.

SILVA, M. V. da. A escolarização da língua nacional. In: ORLANDI, E. P. (Org.). Política lingüística no Brasil. Campinas: Pontes, 2007. p. 141-161.

SILVA, M. V. da. Cultura e oralidade. 2006a. Disponível em: http:www.ucb.br/textos/2/456/ArtigosEComunicacoes. Acesso em: 11 abr. 2011.

SILVA, M. V. da. Sujeito, escrita e história: a letra e as letras. In: MARIANI, B. (Org.). A escrita e os escritos: reflexões em análise do discurso e psicanálise. São Carlos: Claraluz, 2006b. p. 133-140.

SILVA, M. V. da. A disciplinarização da lingüística: Ciência e Estado. 2005. Disponível em: http://www.ucb.br/textos/2/456/ArtigosEComunicacoes/. Acesso em: 06 mar. 2011.

SILVA, M. V. da. Alfabetização: sujeito e autoria, 2000. Disponível em:http://www.ucb.br/textos/2/456/ArtigosEComunicacoes/. Acesso em: 06 mar. 2011.

SILVA, M. V. da. História da alfabetização no Brasil: a constituição de sentidos e do sujeito da escolarização. 267f. Tese (Doutorado em Linguística) – Instituto dos Estudos da Linguagem, Universidade Estadual de Campinas. 1998.

SILVA, M. V. da. O dicionário e o processo de identificação do sujeito. In: GUIMARÃES, E.; ORLANDI, E. P. (Orgs.). Língua cidadania: o português no Brasil. Campinas: Pontes, 1996. p. 151-162.

SARIAN, M. C. A injunção ao novo e a repetição do velho: um olhar discursivo ao Programa Um Computador por Aluno. 272p. Tese (Doutorado em Linguística) - Instituto de Estudos da Linguagem, Universidade Estadual de Campinas, Campinas. 2012.

SOUZA, C. M. V. N. de; PAYER, M. O. Processos de identificação com a língua na alfabetização: uma relação contraditória. In: SCHONS, C. R.; CAZARIN, E. A. (Orgs.). Língua, escola e mídia: em(ter)laçando teorias, conceitos e metodologias. Passo Fundo – RS: Universidade de Passo Fundo, 2001. p.48-70.

VOELCKER, M. D.; FAGUNDES, L. da C.; SEIDEL, S. Fluência Digital e Ambientes de Autoria Multimídia. Novas tecnologias na educação, CINTED-UFRGS, v. 6, n. 1, 2008. Disponível em: http://www.pensamentodigital.org.br/files/renote_fluencia.pdf. Acesso em: 20 jan. 2012.




DOI: http://dx.doi.org/10.18224/educ.v20i3.6849

Direitos autorais 2018 Maristela Cury Sarian

 

Este obra está licenciada com uma Licença Creative Commons - Atribuição Sem Derivações 4.0 CC BY-NC-ND


EDUCATIVA | Revista do Programa de Pós-Graduação em Educação - PPGE | Pontifícia Universidade Católica de Goiás | e-ISSN 1983-7771 | Qualis B1

Visitantes - (01/01/2006 - 20/11/2018)
País Usuários
Brasil 15.020 - 90,19%
Estados Unidos 395 - 2,37%
França 284 - 1,71%
Portugal 214 - 1,29%
Moçambique 112 - 0,67%
Angola 106 - 0,64%
Espanha 48 - 0,29%
Reino Unido 47 - 0,28%
Alemanha 32 - 0,19%
Total 16.577

Fonte: Google Analytics