A ESCOLA COMO ESPAÇO/TEMPO DO PROJETO EDUCACIONAL: PERSPECTIVA PARA O FUTURO DESAFIADOR

Antonio Joaquim Severino

Resumo


O ensaio desenvolve reflexão com vistas a mostrar que a educação escolar, apesar do questionamento de que tem sido alvo, continua sendo mediação institucional privilegiada para que a educação possa alcançar sua finalidade fundamental de propiciar formação integral para as novas gerações. Argumenta que para tanto a escola, no contexto atual e futuro da realidade brasileira, precisa tornar-se lugar de um projeto educacional, que articule os projetos existenciais de educandos e educadores com o projeto civilizatório da nação, mediação imprescindível para transformá-la numa sociedade mais justa e equitativa.

Palavras-chave


Educação escolar; Projeto educacional; Sentido da escola; Processo civilizatório

Texto completo:

PDF

Referências


AÇÃO EDUCATIVA. A ideologia do movimento Escola sem Partido. São Paulo: Ação Educativa, 2016.

ADORNO, Theodor W. Educação e emancipação. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1995.

ADORNO, Theodor W. Teoria da semicultura. Educação e Sociedade, v. 56, n. 10, p. 388-411, 1996.

BOTO, Carlota. A liturgia escolar na Idade Moderna. Campinas: Papirus, 2017.

BOTO, Carlota. Homeschooling: a prática de educar em casa. Jornal da USP. 2018. Disponível em: https://jornal.usp.br/artigos/homeschooling-a-pratica-de-educar-em-casa/. Acesso em: 02 out. 2020.

BRANDÃO, Carlos R. Nós, os humanos: do mundo à vida, da vida à cultura. São Paulo: Cortez Editora, 2015.

BRASIL. MEC. Decreto 10.004/2019. Disponível em: http://escolacivicomilitar. mec.gov.br/images/pdf/legislacao/decreton10004de5desetembrode2019doupecim. pdf

CHARDIN, Teilhard de. O fenômeno humano. São Paulo: Cultrix, 1988.

CUNHA, Luiz Antonio. Educação e desenvolvimento social no Brasil. 9. ed. Rio de Janeiro: F. Alves, 1980.

Elias, Norbert. O processo civilizador. Rio de Janeiro: Zahar, 1994.

ENGUITA, Mariano F. A face oculta da escola: educação e trabalho no capitalismo. Porto Alegre, Artes Médicas, 1989.

FONSECA, Joel P. A escola sem partido não resolve o problema e torna o professor refém. Folha de S. Paulo, 31/07/2016.

FRANCO, M.; Laura B.; ZIBAS, Dagmar (org.). Final de século: desafios da educação na América Latina. São Paulo, Cortez, 1990.

GADOTTI, Moacir. Escola sem partido, uma escola a favor da cultura da indiferença. São Paulo: Instituto Paulo Freire, 2017. Disponível em: https://www.paulofreire.org/noticias/502-escola-sem-partido-uma-escola-a-favor-da-cultura-da-indiferenca. Acesso em: 10 out. 2019.

GALLO, Silvio. Escola cívico-militares: Para quê? Para quem? Campinas: Institucional. FE-Unicamp. 2019. Disponível em: https://www.fe.unicamp.br/institucional/ noticias/escolas-civico-militares-para-que- para-quem. Acesso em: 01 out. 2020.

GONÇALVES, L. C. K. Pensando a escola sem partido e seus impactos na educação. Campos dos Goytacazes (RJ), 2017. 42 f. Trabalho de Conclusão de Curso (Licenciatura em Ciências Sociais). Universidade Federal Fluminense, 2017.

GUILHERME, Alexandre A; PICOLI, Bruno A. Escola sem partido- elementos totalitários em uma democracia moderna: uma reflexão a partir de Arendt. Revista. Brasileira de Educação, Rio de Janeiro: Anped, v. 23, p. 1-23, 2018.

HAMILTON, David. Notas de lugar nenhum: sobre os primórdios da escolarização moderna. Revista Brasileira da Educação. Anped, n. 1, p. 37-70, jan./jun. 2001.

HELENE, Otaviano. Um diagnóstico da educação brasileira e de seu financiamento. Campinas: Autores Associados, 2017.

HILSDORF, M. Lúcia. O aparecimento da escola moderna: uma história ilustrada. Belo Horizonte, 2012.

IANNI, Octávio. Teorias da globalização. 9. ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2001.

ILLICH, Ivan. Sociedade sem escolas. Petrópolis: Vozes, 1970;

KUPFER, M. Cristina. Com escolas fechadas, maior perda é nas relações das crianças. Folha de S. Paulo, 24/09/2020, p. A16.

LEAKEY, Richard E. A origem da espécie humana. Rio de Janeiro: Rocco, 1995.

LEAKEY, Richard E.; LEWIN, Roger. O povo do lago: o homem, suas origens, natureza e futuro. 2. ed. Brasília: UNB, 1996.

LEWIN, Roger. Evolução humana. São Paulo: Atheneu Editora, 1999.

LIBÂNEO, José C. Uma escola para novos tempos. In: LIBÂNEO, José C. Organização e gestão da escola: teoria e prática. 5. ed. Goiânia: Editora Alternativa, 2004.

LIMA VAZ, Henrique C. Escritos de Filosofia III: filosofia e cultura. São Paulo: Loyola, 1997.

MARX, Karl. O capital: crítica da economia política. 2. ed. São Paulo: Nova Cultural, 1985. v. 1.

MONLEVADE, João A. C. de. Financiamento da educação na constituição e na LDB emendadas. In: BRZEZINSKI (org.), LDB 1996 vinte anos depois: projetos educacionais em disputa. São Paulo: Cortez Editora, 2018. p. 261-286.

MOUNIER, Emmanuel. O personalismo. São Paulo: Duas Cidades, 1964.

PALMA FILHO, João C. Política educacional brasileira: educação brasileira numa década de incerteza (1990-2000): avanços e retrocessos. São Paulo: Cte Editora, 2005.

PENNA, Fernando de A. Programa ‘escola sem partido: uma ameaça à educação emancipadora. In: MONTEIRO, A. M. F. da C.; GABRIEL, C. T.; MARTINS, M. L. B. Narrativas do Rio de Janeiro nas aulas de história. Mauad Editora, 2016a.

PENNA, Fernando de A. Proibido educar? Com o pretexto de evitar doutrinação, Projeto de lei ameaça o ensino escolar e criminaliza a prática docente. Cuiabá: SINTRAE, 2016b. Disponível em: http://sintraemt.com.br/noticias/proibido-educar/392. Acesso em: 20 set. 2019b.

PINTO, Fernando C. A formação humana no projecto da modernidade. Lisboa: Instituto Piaget, 1996.

PUCCI, Bruno. Educação contra a barbárie. In: BRITO, M. R.; OLIVEIRA, D. B.; GONÇALVES, E. (org.). Filosofia, formação e educação: apontamentos e perspectivas. Belém. EDUFPA, v. 1, p. 119-134, 2008.

PUCCI, Bruno. Teoria crítica e educação: contribuições da teoria crítica para a formação do professor. Espaço Pedagógico, v. 8, p. 13-30, 2001.

SILVA, Marcos. A transferência do controle da educação da Igreja para o Estado. Comunicações, Piracicaba, ano 7, n. 1, jun. 2000.

SILVA, Marcos. Origens e desenvolvimento da escola moderna. 2012. Disponível em: https://www.cesadufs.com.br/ORBI/public/uploadCatalago/16591914122012Historia_da_Educacao_Brasileira_Aula_2.pdf.

TEODORO, Antonio. Globalização e educação: políticas educacionais e novos modos de governação. São Paulo: Cortez/IPF, 2003.

TEODORO, Antonio; JEZINE, Edineide (org.). Organizações internacionais e modos de regulação das políticas de educação: indicadores e comparações internacionais. Brasilia: Liber Livros, 2012.

XAVIER, Libânia N.; CHAVES, Miriam W. A invenção da escola pública e seus desdobramentos no Brasil: entre o ideal de modernidade e os problemas contemporâneos. Historia Caribe, v. 13, n. 33, p. 253-280, jul./dic. 2018.




DOI: http://dx.doi.org/10.18224/educ.v24i0.8626

Direitos autorais 2021 Antonio Joaquim Severino

Rodapé - Educativa
 

Este obra está licenciada com uma Licença Creative Commons - Atribuição Sem Derivações 4.0 CC BY-NC-ND


EDUCATIVA | Revista do Programa de Pós-Graduação em Educação - PPGE | Pontifícia Universidade Católica de Goiás | e-ISSN 1983-7771 | Qualis CAPES Preliminar 2019 = B1

Visitantes - (04/09/2017 - 12/08/2021)

Fonte: Google Analytics.