Alterações enzimáticas relacionadas a problemas hepáticos em uma amostra de um laboratório privado de Mercedes, Paraná

Tayara Aline Franke, Veridiana Lenartovicz Boeira, Claudinei Mesquita da Silva, Leyde Daiane de Peder

Resumo


O fígado é um órgão com funções vitais para o organismo. As determinações das enzimas hepáticas em um laboratório clínico podem contribuir significativamente para estabelecer as causas, grau de extensão de lesões e o controle de diversas patologias. Desta forma, é preciso constituir a relação existente entre as alterações das enzimas hepáticas, evidenciando as transaminases (ALT e AST) com os problemas hepáticos. Nesse contexto, realizou-se uma pesquisa com característica participativa, com pacientes que realizaram as dosagens da ALT e AST entre o período de agosto de 2013 a agosto de 2016, atendidos em um laboratório de análises clínicas privado, localizado na cidade de Mercedes – Paraná. Os resultados obtidos demonstraram que a presença da doença hepática foi verificada em 20,7% dos pacientes, enquanto que 79,3% relatou não ter nenhuma patologia relacionada. Destes, 83,3% relatou ter diagnóstico para hepatite B e 16,7% para cirrose alcoólica e assim os valores para as dosagens das transaminases apontou que 50% tiveram ALT reagente e 50% não reagente, enquanto 66,7% apresentaram a AST reagente e 33,3% não reagente. Assim, os valores das transaminases encontrados dependem da fase da doença em que se situava o paciente no momento da realização do exame e além disso, constatou-se que as alterações enzimáticas têm uma forte interação com as enfermidades hepáticas. Todavia, ainda é preciso realizar uma boa investigação diagnóstica destes, avaliando o estilo de vida e o uso de medicamentos, por exemplo, pois muitos pacientes permanecem assintomáticos até o desenvolvimento da patologia hepática em si.

Palavras-chave


Fígado; Transaminases; Problemas Hepáticos

Texto completo:

PDF

Referências


NUNES, P. P. & MOREIRA, A. L. 2006. Fisiologia Hepática – Texto de apoio. Faculdade de Medicina da Universidade do Porto, Portugal. 26p.

RIBEIRO, B. D., CASTRO, A. M., SALGADO, A. M. & COELHO, M. A. 2013. Aplicação de enzimas: propostas para disciplina experimental. Revista Virtual de Química, 5:787-805.

SCHINONI, M. I. 2006. Fisiologia Hepática. Gazeta Médica da Bahia 76:5-9.

MOTTA, V. T. 2003. Bioquímica clínica para o laboratório: princípios e interpretações. Médica Missau, Porto Alegre. 374p.

JESUS, G. C., SOUSA, H. H. B. A. & BARCELOS, R. S. S. 2014. Principais patologias e biomarcadores das alterações hepáticas. Estudos – Vida e Saúde, 41:525-537.

LEHNINGER, A. L. 2006. Princípios de Bioquímica. Sarvier, São Paulo. 1202p.

SHERLOCK, S. & DOOLEY, J. 2004. Doenças do Fígado e do Sistema Biliar. Guanabara Koogan, Rio de Janeiro. 620p.

MINCIS, M. & MINCIS, R. 2007. Enzimas hepáticas: por que são importantes para o estudo de doenças do fígado. Prática Hospitalar, 51:44-48.

NADER, L. A. 2012. Impacto das Doenças Hepáticas nas Internações Hospitalares e na Mortalidade do Sistema Único de Saúde do Brasil no Período de 2001 a 2010. Tese de Doutorado, Programa de Pós-Graduação em Medicina: Hepatologia, Universidade Federal de Ciências da Saúde de Porto Alegre. 71p.

OPS – ORGANIZACIÓN PANAMERICANA DE LA SALUD. Situación de La salud em las Américas. 2016. Indicadores e dados básicos. Disponível em: . Acesso em: 01 jan. 2017.

BELON, A. P., LIMA, M. G. & BARROS, M. B. 2014. Gender diferences in healthy life expetanncy among Brazilian elderly. Health Qual Life Outcomes,12:88-88.

READ J. G. & GORMAN B. K. 2010. Gender and Health Inequality. Annual Review of Sociology, 36:371-386.

BARROS M. B. A., MARÍN-LÉON, L., ALMEIDA, S. M. & BELON, A. P. 2008. Mortalidade e Gênero. Boletim de Mortalidade, Campinas. 42p.

SP DEMOGRÁFICO. 2004. A dimensão oculta e a precocidade da morte masculina por doenças hepáticas. Resenha de Estatísticas Vitais do Estado de São Paulo. Maio 2004, n. 9.

VIRTUOSO, J. F., BALBÉ, G. P., MAZO, G. Z., PEREIRA, M. G. S. & SANTOS, F. S. S. 2010. Morbidade e mortalidade da população idosa de Florianópolis: um estudo comparativo entre homens e mulheres. Revista Brasileira de Geriatria e Gerontologia, 13:215-223.

GLEI, D. A. 2005. The sex gap in mortality: historical patterns across twenty-four countries. Gender, Health and Mortality, 203:1-24.

SÁ, A. S., ZIVIANI, L. C., CASTRO E SILVA, O., GALVÃO, C. M. & MENDES, K. D. S. M. 2016. Necessidades de informação do cuidador familiar de candidatos ao transplante de fígado. Revista Gaúcha de Enfermagem, 37:1-8.

AGUIAR, M. I. F., VIOLANTE, A. B. B., GARCIA, J. H. P., LIMA, C. A., ALMEIDA, P. C., SOUZA, A. M. A. & ROLIM, I. L. T. P. 2016. Quality of life in liver transplant recipients and the influence of sociodemographic factors. Revista da Escola de Enfermagem da USP, 50:411-418.

BRASIL, MINISTÉRIO DA SAÚDE. 2011. Plano de Ações Estratégicas para o Enfrentamento das Doenças Crônicas Não Transmissíveis (DCNT) no Brasil 2011-2022. Secretaria de Vigilância em Saúde, Brasília. 160p.

PRADO, B. B. F. 2014. Influência dos hábitos de vida no desenvolvimento do câncer. Ciência e Cultura, 66:21-24.

MALTA, D. C. & SILVA J. J. B. 2013. O plano de ações estratégicas para o enfrentamento das doenças crônicas não globais para o enfrentamento dessas doenças até 2025: uma revisão. Revista Epidemiologia e Serviços de Saúde, 22:151-164.

CARGNIN, M. C. S., ECHER, I. C., OTOBELLI, C., CEZAR-VAZ, M. R. & MANTOVANI, V. M. 2015. Prevalence and factors associated with smoking among tobacco growers in southern Brazil. Revista Brasileira de Enfermagem, 68:603-608.

INCA – INSTITUTO NACIONAL DO CÂNCER. 2007. Tabagismo: um grave problema de saúde pública. Disponível em: . Acesso em: 02 jan. 2017.

BRASIL, MINISTÉRIO DA SAÚDE. 2005. Manual de Perícia Médica do Ministério da Saúde – Hepatopatia Grave. Ministério da Saúde, Brasília. 8p.

OMS – ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE. 2016. Dia Mundial da Hepatite 2016: Conheça a hepatite e aja agora. Disponível em: . Acesso em: 03 jan. 2017.

FONSECA, J. C. F. 2007. História natural da hepatite crônica B. Revista da Sociedade Brasileira de Medicina Tropical, 40:672-77.

BRASIL, MINISTÉRIO DA SAÚDE. 2012. Boletim Epidemiológico: Hepatites Virais. Secretaria de Vigilância em Saúde, Brasília. 176p.

LOPES, T. G. S. L. & SCHINONI, M. I. 2011. Aspectos gerais da Hepatite B. Revista de Ciência Médicas e Biológicas, 10:337-344.

SILVA, I. S. 2010. Cirrose Hepática. Revista Brasileira de Medicina, 67:111-120.

BARROSO, P. N., FORTES, A. N. & LOPES, M. V. O. 2010. Alcoholic liver cirrhosis: a systematic review. Online Brazilian Journal of Nursing, 29:437-445.

VASCONCELOS, T. H. C., MODESTO-FILHO, J., DINIZ, M. F. F. M., SANTOS, H. B., AGUIAR, F. B. & MOREIRA, P. V. L. 2007. Estudo toxicológico pré-clínico agudo com o extrato hidroalcoólico das folhas de Cissussicyoides L. (Vitaceae). Revista Brasileira de Farmacognosia, 17:583-591.

BERTOLAMI, M. C. 2005. Mecanismos de hepatotoxicidade. Arquivos Brasileiros de Cardiologia, 85:25-27.

PINTO, S. B. 2010. Comparação entre as dosagens de AST (aspartato aminotransferase) e ALT (alanina aminotransferase) em presença e na ausência de piridoxal fosfato. Monografia não-publicada. Departamento de Farmácia, Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Porto Alegre. 34p.

CHEUNG, O. & TANYAL, A. Y. 2010. Recent advances in non alcoholic fatty liver disease. Current Opinion in Gastroenteroly, 26:203-208.

MINCIS, M. & MINCIS, R. 2011. Álcool e Fígado. Gastroenterologia Digestiva, 30:152-162.

ZAMIN, JR. I., MATTOS, A. A., PERIN, C. & RAMOS, G. Z. 2002. A importância do índice AST/ALT no diagnóstico da esteato hepatite não-alcoólica. Arquivos de Gastroenterologia, 39:22-26.

SORBI, D., BOYNTON, J. & LINDOR, K. D. 1999. The ratio aspartato amino transferase to alanine aminotransferase: potential value in differentiating non alcoholic steatohepatitis

from alcoholic liver disease. American Journal of Gastroenteroly, 94:1018-1022.

CAETANO, M. M. & BECK, S. T. 2005. Importância da detecção de anticorpos ANTI-HBc na prevenção da transmissão do vírus da hepatite B (VHB) em bancos de sangue. Monografia não-publicada. Centro de Ciências e Saúde, Universidade Federal de Santa Maria. 9p.

FERREIRA, M. S. & BORGES, A. S. 2007. Advances in the treatment of hepatitis B. Revista da Sociedade Brasileira de Medicina Tropical, 40:451-462.

ELGOUHARI, H. M., TAMIMI, T. A. R. & CAREY W. D. 2008. Hepatitis B virus infection: understanding its epidemiology, course, and diagnosis. Cleveland Clinic Journal of Medicine, 75:881-889.

FERREIRA, M. S. 2000. Diagnóstico e tratamento da Hepatite B. Revista da Sociedade Brasileira de Medicina Tropical, 33:384-400.




DOI: http://dx.doi.org/10.18224/evs.v46i1.6034

Rodapé - Educativa
 

Este obra está licenciada com uma Licença Creative Commons - Atribuição Sem Derivações 4.0 CC BY-NC-ND


EVS | Pontifícia Universidade Católica de Goiás | e-ISSN 1983-781X | Qualis B3

Visitantes - (01/01/2006 - 02/05/2019)
País Usuários
Brasil 35980
Estados Unidos 1.166
Portugal 628
França 244
Moçambique 151
Angola 104
Reino Unido 56
Espanha 44
Chile 37
Total 38.886

Fonte: Google Analytics.