Prevalência dos agentes microbológicos estratificados por faixa etária no laboratório de análises clínicas da Pontifícia Universidade Católica de Goiás (LC PUC GOIÁS)

Sara Anna Chaves Chan, Andrea Alves Ribeiro

Resumo


O sistema reprodutor feminino é suscetível à inflamação baseado a sua localização anatômica. Estimar a prevalência dos agentes microbiológicos estratificados por faixas etárias em mulheres atendidas no Laboratório de Análises Clínicas da Pontifícia Universidade Católica de Goiás (LC PUC GO) de janeiro a dezembro de 2013. Estudo descritivo retrospectivo dos exames citopatológicos de mulheres atendidas no LC PUC GO de janeiro a dezembro de 2013. As análises estatísticas foram realizadas por meio do programa Microsoft Excel® (Microsoft Corporation, Redmond, EUA) e planilhas, incluindo as informações da amostra, tais como: idade, sexo do paciente, a média e desvio padrão (SD) e a frequência relativa. Para os cálculos das prevalências das faixas etárias, foram subdivididos em intervalos entre: 14-19 anos, 20-29 anos, 30-39 anos, 40-49 anos, 50-59 anos, 60-69 anos e mais de 70 anos. Um total de 2.192 exames citopatológicos foram satisfatórios para as análises (PUC GO), entre janeiro a dezembro de 2013. A faixa etária entre 14 a 19 anos representaram 8,6% (189/2192), idades entre 20 a 29 anos foram 23,8% (233/2192), entre 30 a 39 anos seguidos 23,1% (507/2,192). As pacientes com idades entre 40 a 49 anos ocorreram 21,8% (477/2,192). Seguidos entre 50 a 59 anos de idade obtiveram, 15,8% (346/2192), entre 60 a 69 anos corresponderam, 5,5 % (120/2, 192) e acima de 70 anos apresentaram 1,4% (30/2192). As idades médias associadas às prevalências foram (14 ± 39) anos a maioria com, (55,5%) das pacientes eram ≥ 40 anos. Neste presente estudo, apresentaram maiores prevalências de agentes microbiológicos patogênicos, em mulheres jovens, com os seguintes agentes: Gardnerella vaginalis, Candida sp e Trichomonas vaginalis. Desse modo, medidas de rastreamento e prevenção são necessárias com intuito de minimizar as infecções sexualmente transmissíveis (IST’s) e lesões causadas à saúde da população feminina.

Palavras-chave


Agentes microbiológicos. Vaginose bacteriana. Exames citopatológicos

Texto completo:

PDF

Referências


Linhares, I. M., Giraldo, P. C. & Baracat, E. C. 2010. Novos conhecimentos sobre a flora bacteriana vaginal. São Paulo, SP. Revista Associação Medica Brasileira 56:370-374.

Batista, M. L. S., Cintra, A. C. F., Santos, J. P. C., Martins, P. D., Ribeiro, A. A., Tava-res, S. B. N., Passos, X. S. & Alcântara, K. C. 2012. Resultados citopatologicos de mulhe-res que realizaram exames do colo do útero em um laboratório escola da Universidade Fe-deral de Goiás, Goiânia-GO: estudo de prevalência. Journal of the Health Sciences Institute 30:201-5.

Tanaka, V. A., Fagundes, L. J., Catapan, A., Gotlieb, S. L. D., Belda, JR. W., Arnone, M., Soreano, R. & Moraes, F. R. B. 2007. Perfil epidemiológico de mulheres com vaginose bacteriana atendidas em um ambulatório de doencas sexualmente transmissíveis em São Paulo, SP. Anais Brasileiros de Dermatologia. 82:41-6.

Bonfanti, G. & Gonçalves, T. L. 2010. Prevalência de Gardnerella vaginalis, Candida sp e Trichomonas vaginalis em exames citopatológicos de gestantes atendidas no hospital Universitário de Santa Maria. RS. Revista Saúde 36:37- 45.

Tavares, S. B. N., Amaral, R. G., Manrique, E. J. C., Sousa, N. L. A., Albuquerque, Z. B. P. & Zeferino, L. C. 2007. Controle da Qualidade em Citopatologia Cervical: revisão de literatura. Revista Brasileira de Cancerologia 53:355-364.

Becker, D. L., Brochier, A. W., Vaz, C. B., Oliveira, J. P., Santos, M. L.V., Pilger, D. A., Calil, L. & Fuentefria, A. M. 2011. Correlação entre infecções genitais e alterações citopatológicas cervicais em pacientes atendidas no Sistema de Saúde Pública de Porto Alegre. DST. Jornal Brasileiro de Doenças Sexualmente Transmissíveis. 23:116-119.

Gonçalves, A. K., Maranhão, T. M. O., Azevedo, G. D.,Giraldo, P. C., Eleuterio Jr, J. & Silva, M. J. P. M. A. 2008. Microbiota vaginal: manejo das vulvovaginites no climatério. Federação Brasileira das Sociedades de Ginecologia e Obstetrícia Femina 36:345-349.

Morris, M., Nicoll, A., Simms, I., Wilson, J. & Catchpole, M. 2001. Bacterial vaginosis: a public health review. London UK, British Journal of Obstetrics and Gynecology 108:439-450.

Reis, N. R. O. G., Costa, A. M. C., Madi, R. R. & Melo, C. M. 2013. Perfil microbioló-gico e alterações citológicas associadas em material cérvico-vaginal coletado em consultório de enfermagem, de 2009 a 2011 em Aracaju/SE. Revista Eletrônica Scientia Plena 9:1-8.

Rani, Y. U., Sarada, D., Varalakshmi, D., Rajeswari, M. R. & Padmaja, Y. 2015. Mi-crobiological study of leucorrhoea with special reference to Gardnerella Vaginalis. Inter-national Journal of Advanced Research 3:1192-1199.

Amaral, A. D. 2012. Incidência de gardnerella vaginalis nas amostras de secreção va-ginal em mulheres atendidas pelo Laboratório Municipal de Fraiburgo. Revista de Ciências Farmacêutica Básica Aplicada 33:455-458.

Grmek Kosnik, I., Dermota, U. & Golle, A. 2016. Frequency of detection of gardnerel-la vaginalis in vaginal smears in the upper Carniola region. Frequência de detecção de gar-dnerella vaginalis em esfregaços vaginalis na região superior Carniola region. Acta derma-tovenerologica Alpina, Panonica, et Adriatica 25:31-33.

Caixeta, R. C. A., Ribeiro, A. A., Segatti, K. D., Saddi, V. A., Figueiredo, R. R. A, Carneiro, M. A. S., & Rabelo-Santos, S. H. 2015. Association between the human papil-lomavirus, bacterial vaginosis and cervicitis and the detection of abnormalities in cervical smears from teenage girls and young women. Diagnostic Cytopathology 43:780-785.

Pereira, D. C., Backes, L. T. H., Calil, L. N. & Fuentefria, A. M. 2012. A Six-year epi-demiological survey of vulvovaginal candidiasis in cytopathology reports in the state of Rio Grande do Sul, Brazil. Revista de Patologia Tropical 41:163-8.

Peters, B. M., Yano, J., Noverr, M. C. & Fidel JR. P. L. 2014. Candida vaginitis: when opportunism knocks the host responds. PLOS Pathogens 1:1-10.

Soares, M. B. O. & Silva, S. R. 2010. Análise de um programa municipal de prevenção do câncer cérvico uterino. Revista Brasileira de Enfermagem 63:177-182.

Dall’Alba, M. P. & Jaskulski, M. R. 2014. Prevalência de vaginoses bacterianas causa-das por gardnerella vaginalis, em um laboratório de análises clínicas na cidade de Santo Expedito do Sul, RS. Revista Perspectiva 38:91-99.

LIMA, M. 2013. Prevalência e fatores de risco independentes à tricomoníase em mu-lheres assistidas na atenção básica. Acta Paulista de Enfermagem 4:331-337.

Posser, J., Girard, J. P., Pedroso. D. & Sandri, Y. P. 2015. Estudo das infecções cerico-vaginais diagnosticadas pela citologia. Revista do Instituto de Ciências da Saúde 8:15-16.

Instituto Nacional do Câncer (INCA). 2014. Coordenação de prevenção e vigilância de câncer. Estimativas incidência de câncer no Brasil. Acesso em: 15 jan. 2015. Disponível em: .

Nayar, R. & Wilbur, D. C. 2014. The Bethesda System for Reporting Cervical Cytology. Springer International Publishing Chicago. 89p.

Camargo, K. C., Alves, R. R. F., Baylão, L. A., Ribeiro, A. A., Araujo, N. L. A. S., Tavares, S. B. N. & Rabelo-Santos S. H. 2015. Abnormal vaginal secretion: sensitivity, specificity and concordance between clinical and cytological diagnosis. Revista Brasileira de Ginecologia e Obstetrícia. 37:222-228.

Oliveira, A. B., França, C. A. S., Santos, T. B., Garcia, M. A. F., Tsutsumi, M. Y. & Brito Jr, L. C. 2007. Prevalência de gardnerella e mobiluncus em exames de colpocitologia em Tome Açu, Pará. Revista Paraense de Medicina 21: 47-51.

Coser, J., Fontoura, S. C., Belmonte, C., Vargas, V. R. A. 2012. Relação entre fatores de risco e lesão precursoras do câncer do colo do útero em mulheres com e sem ectopia cervical. Revista Brasileira de Análises Clínicas 44:50-54.

Libera, L. S. D., Alves, G. N. S., Souza H. G., Carvalho M. A. S. & Saddi, V. A. 2016. Exames citopatológicos sugestivos de infecção pelo Papilomavírus humano. Revista Brasileira de Análises Clínicas 43:34-40.

Ribeiro, A. A. 2007. Agentes microbiológicos em exames citopatológicos: estudo de prevalência. Rio de Janeiro. Revista Brasileira de Análises Clínicas 39:179-181.

Baruffi, L. M. 2015. Estudo exploratório das adolescentes sobre o papiloma vírus hu-mano relacionado ao câncer de colo do útero. Revista UNILUS Ensino e Pesquisa 12:2318-2083.




DOI: http://dx.doi.org/10.18224/evs.v45i1.6425

 

Licença Creative Commons - Atribuição Sem Derivações 4.0 CC BY-NC-ND


evs | Pontifícia Universidade Católica de Goiás | e-ISSN 1983-781X | Qualis B3

Flag Counter