ASSOCIAÇÃO DOS AGENTES MICROBIOLÓGICOS PATOGÊNICOS E ANORMALIDADES CITOLÓGICAS NOS EXAMES CITOPATOLÓGICOS ENCAMINHADOS A UM LABORATÓRIO ESCOLA DE GOIÂNIA – GOIÁS

Andrea Alves Ribeiro, Lara Caroline Prazer Furtado, Nathália de Castro Arantes

Resumo


O câncer do colo do útero é o terceiro tumor mais comum entre as mulheres. Estima-se que para o ano de 2018 ocorram 16.370 novos caso no Brasil. O objetivo foi estimar a prevalência dos agentes patogênicos estratificado por faixa etária e avaliar a associação entre os agentes patogênicos e anormalidades citológicas. Foi realizado no Laboratório Clínico da Pontifícia Universidade Católica de Goiás (LC – PUC Goiás) no período de Janeiro de 2016 a Dezembro de 2017, estratificado por faixa etária: 14-24 anos, 25-34 anos, 35-44 anos, 45-54 anos, 55-64 anos e maiores de 65 anos. Os dados foram tabulados no software Microsoft® Excel 2013 para cálculo das prevalências e no software EpiInfo™ 7.2 para a análise da associação entre os agentes patogênicos e anormalidades citológicas realizado o cálculo do Odds ratio (OR), com nível de significância de 95% e p<0,05. Foram analisadas 2.150 fichas de aquisição, sendo 9 excluídas por serem classificadas como insatisfatórias. O total utilizado para análises estatísticas foi de 2.152, pois haviam resultados com agentes microbiológicos concomitantes. O agente patogênico mais prevalente foi a Gardnerella vaginalis com 23,62% (508/2.152) sendo mais frequente entre as mulheres de 25 a 34 anos com 6,20% (133/2.152). A prevalência dos diagnósticos citopalógicos de acordo com a faixa etária foi de 93,88% (2.010/2.141) negativos e 6,12% (131/2.141) positivos, com maior prevalência na faixa etária de 25 a 34 anos com 0,19% (4/2.141). Em relação aos agentes patogênicos e as anormalidades citológicas destacou-se a Gardnerella vaginalis relacionada as lesões mais graves (ASC-H/HSIL) com 1,02% (22/2.152). A associação de agentes patogênicos e anormalidades citológicas foi estatisticamente significante (OR: 1,93, IC 95%: 1,33-2,81, p<0,002), também encontrada entre Gardnerella vaginalise anormalidades citológicas (OR: 2,40, IC 95%: 1,1 – 6,37, p<0,04). Conclui-se que a presença de agentes patogênicos pode facilitar o desenvolvimento de anormalidades citológicas.

 


Palavras-chave


Gardnerella vaginalis. Agentes patogênicos. Anormalidades citológicas. Gardnerella vaginalis. Pathogenic agents. Cytological abnormalities.

Texto completo:

PDF

Referências


Instituto Nacional do Câncer. 2018. Estimativa 2018: incidência de câncer no Brasil. Acessado em 16/03/2018. Disponível em: http://www2.inca.gov.br/wps/wcm/connect/tiposdecancer/site/home/colo_utero/definicao

Camargo, K. C., Alves, R. R. F., Baylão, L. A., Ribeiro, A. A., Araujo, N. L. A. S., Tavares, S. B. N. & Santos, S. H. R. 2015. Secreção vaginal anormal: Sensibilidade, especificidade e concordância entre o diagnóstico clínico e citológico. Revista Brasileira de Ginecologia e Obstetrícia 37:222-228.

Posser, J., Girardi, J. P., Pedroso, D. & Sandri, Y. P. 2015. Estudo das infecções cérvicovaginais diagnosticadas pela citologia. Revista Saúde Integrada 8:15-16.

Jespers, V., Kyongo, J., Joseph, S., Hardy, L., Cools, P., Crucitti, T., Mwaura, M., Ndayisaba, G., Delany-Moretlwe, S., Buyze, J., Vanham, G. & Wijgert, J. H. H. M. 2017. A longitudinal analysis of the vaginal microbiota and vaginal immune mediators in women from sub-Saharan Africa. Scientific Reports 7:11974.

Alves, F. A., Sá, L. F. & Silva, A. O. 2014. Incidência das principais doenças e infecções diagnosticadas através do exame Papanicolaou no ESF Central – Itapuranga-GO 2011-2012. Revista Faculdade Montes Belos 7:16-33.

Toninato, L. G. D., Irie, M. M. T., Consolaro, M. E. L., Teixeira, J. J. V. & Boer, C. G. 2016. Vaginose bacteriana diagnosticada em exames citológicos de rotina: prevalência e características dos esfregaços de Papanicolaou. Revista Brasileira de Análises Clínicas 48:165-169.

Peixoto, J. V., Rocha, M. G., Nascimento, R. T. L., Moreira, V. V. & Kashiwabara, T. G. B. 2014. Candidíase - uma revisão de literatura. Brazilian Journal of Surgery and Clinical Research 8:75-82.

Andrioli, J. L., Oliveira, G. S. A., Barreto, C. S., Sousa, Z. L., Oliveira, M. C. H., Cazorla, I. M. & Fontana, R. 2009. Frequência de leveduras em fluido vaginal de mulheres com e sem suspeita clínica de candidíase vulvovaginal. Revista Brasileira de Ginecologia e Obstetrícia 31:300-304.

Okodo, M., Okayama, K., Fukui, T., Shiina, N., Caniz, T., Yabusaki, H. & Fujii, M. 2017. Significance of compression in binucleation while differentiating reactive cellular changes between human papillomavirus and candida infection. Asian Pacific Journal of Cancer Prevention 18:2507-2511.

Machado, E. R. & Souza, L. P. 2012. Tricomoníase. Ensaios e Ciência: Ciências Biológicas, Agrárias e da Saúde 16:229-243.

Azevedo, A. G., Cavalcante, I. B., Cavalcante J. B. & Rolim, L. A. D. M. M. 2016. Fatores que influenciam a não realização do exame de Papanicolaou e o impacto de ações educativas. Revista Brasileira de Análises Clínicas 48:253-257.

Instituto Nacional do Câncer. 2018. Nomenclatura Brasileira para Laudos Citopatológicos Cervicais. Acessado em 18/03/2018. Disponível em: http://www1.inca.gov.br/inca/Arquivos/DDiretrizes_para_o_Rastreamento_do_cancer_do_colo_do_utero_2016_corrigido.pdf.

Nayar, R., Wilbur, D. C. 2015. The Bethesda System for Reporting Cervical Cytology: Definitions, Criteria, and Explanatory Notes. 3. ed. New York: Springer, 321 p.

Gillet, E., Meys, J. F. A., Verstraelen, H., Verhelst, R., Sutter, P., Temmerman, M. & Broeck, D. V. 2012. Association between Bacterial Vaginosis and Cervical Intraepithelial Neoplasia: Systematic Review and Meta-Analysis. PLOS ONE 7: e45201.

Alves, M. B., Silva, Í. M. O., Santos, C. I., França, Y. R., Oliveira, S. K. R., Monteiro, S. G. & Monteiro, C. A. 2015. Prevalência de Candida spp. em amostras de secreções vaginal e sua relação com fatores associados à vulvovaginites. Revista Investigação 1:53-63.

Ribeiro, A. A., Oliveira, D. F., Sampaio, M. C. N., Carneiro, A. S., Tavares, S. B. N., Souza, N. L. A., Fonsechi-Carvasan, G. A., Alcanfor, J. D. X. & Santos, S. H. R. 2007. Agentes microbiológicos em exames citopatológicos: estudo de prevalência. Revista Brasileira de Análises Clínicas 39:179-181.

Batista, M. L. S., Cintra, A. C. F., Santos, J. P. C., Martins, P. D., Ribeiro, A. A., Tavares, S. B. N., Passos, X. S. & Alcântara, K. C. 2012. Resultados citopatológicos de mulheres que realizaram exame do colo do útero em um laboratório escola da Universidade Federal de Goiás, Goiânia-GO: estudo de prevalência. Journal of the Health Sciences Institute 30:201-5.

Patel, D. A., Gillespie, B., Sobel, J. D., Leaman, D., Nyirjesy, P., Weitz, M. V. & Foxman, B. 2004. Risk factors for recurrent vulvovaginal candidiasis in women receiving maintenance antifungal therapy: Results of a prospective cohort study. American Journal of Obstetrics and Gynelocogy 190:644-653.

Srinivasan, S., Liu, C., Mitchell, C. M., Fiedler, T. L., Thomas, K. K., Agnew, K. J., Marrazzo, J. M. & Fredricks, D. N. 2010. Temporal variability of human vaginal bacteria and relationship with bacterial vaginosis. PLOS ONE 5:e10197.

Sobrinho, J. M. C., Santos, S. H. R., Alves, R. R. F., Derchain, S., Sarian, L. O. Z., Pitta, D. R., Campos, E. A. & Zeferino, L. C. 2017. Bacterial vaginosis and inflammatory response showed association with severity of cervical neoplasia in hpv-positive women. Diagnostic Cytopathology 45:474-476.

Caixeta, R. C. A., Ribeiro, A. A., Segatti, K. D., Saddi, V. A., Alves, R. R. F., Carneiro, M. A. S. & Santos, S. H. R. 2015. Association between the human papillomavirus, bacterial vaginosis and cervicitis and the detection of abnormalities in cervical smears from teenage girls and young women. Diagnostic Cytopathology 43:780-785.

Barouti, E., Farzaneh, F., Sene, A. A., Tajik, Z. & Jafari, B. 2013. The pathogenic microorganisms in papanicolaou vaginal smears and correlation with inflammation. Journal of Family and Reproductive Health 7:23-27.

Zattoni, M. K., Filho, A. A., Christi, M. A. C., Junior, O. O. & Discacciati, M. G. 2013. Relação entre vaginose bacteriana e atipias celulares diagnosticadas pelo exame de papanicolaou. Journal of the Health Sciences Institute 31:235-238.

Kruger, E. C. F., Chan, S. A. C. & Ribeiro, A. A. 2016. Prevalência de anormalidades nos exames citopatológicos realizados no laboratório de análises clínicas da Pontifícia Universidade Católica de Goiás – LC PUC Goiás. Estudos Vida e Saúde 43:27-33.

Freitas, R. A. P., Carvasan, G. A. F., Morais, S. S. & Zeferino, L. C. 2006. Prevalência das lesões neoplásicas do colo de útero: resultados de rastreamento citológico realizado em Campinas, São Paulo, Brasil. Revista de Ciências Médicas 15:307-314.

Gage, J. C., Katki, H. A., Schiffman, M., Fetterman, B., Poitras, N. E., Lorey, T., Cheung, L. C., Castle, P. E. & Kinney, W. K. 2015. Age-stratified 5-year risks of cervical precancer among women with enrollment and newly detected hpv infection. International Journal of Cancer 136:1665-1667.

Instituto Nacional do Câncer. 2018. Controle do câncer do colo do útero. Acessado em 16/03/2018. Disponível em: http://www2.inca.gov.br/wps/wcm/connect/tiposdecancer/site/home/coloutero/deteccaoprecoce.

Dalmolin, S. P., Dexheimer, G. M. & Delving, L. K. O. B. 2016. Mulheres com exames citopatológicos alterados: Avaliação do seguimento de acordo com as condutas preconizadas pelo ministério da saúde. Revista Brasileira de Análises Clínicas 48:235-239.

Silva, E. O., Coelho, M. C. V. & Athayde, L. A. 2016. Alterações citológicas associadas a infecção pelo papilomavirus humano em mulheres atendidas em um hospital. Revista Eletrônica Gestão & Saúde 07:52-64.




DOI: http://dx.doi.org/10.18224/evs.v45i1.6435

 

Licença Creative Commons - Atribuição Sem Derivações 4.0 CC BY-NC-ND


evs | Pontifícia Universidade Católica de Goiás | e-ISSN 1983-781X | Qualis B3

Flag Counter