A ROMANTIZAÇÃO DA VIOLÊNCIA NA REVISTA NOVA ESCOLA

Lúcio Alves de Barros, Caio César Sousa Marçal

Resumo


A discussão sobre “mídia, educação e violência”, inegavelmente, compartilha das mutações que se passa nas escolas. A apreciação das representações da Revista Nova Escola opera no sentido de verificação empírica do que os “formadores de opinião” têm compreendido como “violências”. O artigo tem interesse de compreender quais são as representações que o esse meio de comunicação constrói acerca da “violência e educação”. A pesquisa, de conteúdo qualitativo, é baseado nos números da revista publicados durante os anos de 2013, 2014 e 2015 e teve objetivo analisar as reportagens, notícias, editoriais, artigos e entrevistas, bem como verificar as representações sobre a violência e da educação. O interesse maior foi de identificar as falas do periódico que atinge boa parte das professoras e dos professores que atuam na educação básica, principalmente nas escolas do ensino básico e mostra que a abordagem da revista reduz a problemática das violências às relações manifestas, abordando a violência a partir de uma ótica romantizada.


THE ROMANTIZATION OF VIOLENCE IN THE NOVA ESCOLA JOURNAL

A discussion on "media, education and violence" undeniably share of changes that take place in schools. Analysis of the Nova Escola Journal representations operates in the sense of empirical verification of what "opinion makers" have understood as "violence" The article has an interest in understanding the representation that the vehicle communication builds on the "violence and education." The work of qualitative content is based on magazine issues published during the years 2013, 2014 and 2015 and had to analyze the reports, news, editorials, articles and interviews, as well as verify the representations of violence and education. The greatest interest was to identify the address of the journal throughout much of the teachers and teachers working in primary education, especially in elementary schools and shows that the magazine's approach reduces the problem of violence to manifest relations, addressing violence from a romanticized perspective.

Palavras-chave


Mídia; Violência; Educação; Revista Nova Escola.Media; Violence; Education; Nova Escola Journal.

Texto completo:

PDF

Referências


ABRAMOVAY, Miriam (Coord.). Revelando tramas, descobrindo segredos: violência e convivências nas escolas. Brasília: Rede de Informação Tecnológica Latino-americana – RITLA, Secretaria doe Estado de Educação do Distrito Federal – SEEDF, 2009.

ADORNO, Theodor. W.. Os padrões da cultura de massa. In: CARDOSO, Fernando Henrique; MARTINS, Carlos Estevam. Política e Sociedade. São Paulo: Ed. Companhia Editora Nacional, SD. Volume 2. (O texto original é de 1954)

AMADO, João. A construção da disciplina na escola. Suportes teórico-práticos. Porto: Edições ASA, 2000.

BARROS, Lúcio Alves de; FREITAS, Débora Luiz Chagas de. Educação, escola e paradoxos no campo da violência. Revista Educação Pública, Rio de Janeiro, v. 01, p. 1-12, 2011.

BOURDIEU, Pierre. O poder simbólico. Rio de Janeiro: Ed. Bertrand Brasil, 1998.

BOURDIEU, Pierre. A Distinção. Crítica Social do Julgamento. São Paulo: Ed. EDUSP; Porto Alegre: Ed. Zouk, 2007.

BOURDIEU, Pierre; PASSERON, Jean Claude. A Reprodução. Elementos para uma teoria do sistema de ensino. 3.ed. Rio de Janeiro: Ed. Francisco Alves, 1992.

CHARLOT, Bernard. A violência na escola: como os sociólogos franceses abordam essa questão. Sociologias, v. 4, n. 8, 2002.

DEBORD, Guy. A sociedade do espetáculo. Trad. Estela dos Santos Abreu. Rio de Janeiro: Ed. Contraponto, 1997. (O original é de 1967).

DURKHEIM, Émile. As Regras do Método Sociológico. 14. ed. Trad. Maria Isaura Pereira de Queiroz. São Paulo: Companhia Editora Nacional, 1990. (A primeira edição é de 1895).

DURKHEIM, Émile. Da Divisão do Trabalho Social. Trad. Eduardo Brandão. São Paulo: Martins Fontes, 1995.

GUARESCHI, Pedrinho A. A realidade da comunicação–visão geral do fenômeno. Comunicação e controle social, v. 6, p. 13-22, 2000.

LLOSA, Mario Vargas. A civilização do espetáculo. Uma radiografia do nosso tempo e da nossa cultura. Rio de Janeiro: Objetiva, 2006.

MARTINS, Maria José D. O problema da violência escolar: uma clarificação e diferenciação de vários conceitos relacionados. Revista Portuguesa de Educação, v. 18, n. 1, p. 93-115, 2005.

MISSE, Michel. A violência como sujeito difuso. In: FEGHALI, Jandira; MENDES, Cândido; LEMGRUBER, Julita (Orgs.). Reflexões sobre violência urbana. (In) Segurança e (Des) Esperanças. Rio de Janeiro: Ed. Mauad X, 2006. p. 19-41.

MORAES, Dênis de. Sociedade Midiatizada. Rio de Janeiro: Ed. Mauad, 2006.

SANTOS, Eliana Cristina Pereira. Imagético e Discursivo: Uma analise da capa da Revista Nova Escola. Revista Linguagem, São Carlos, v. 11, n. 7, p. 1-13, nov./dez. de 2009.

SODRÉ, Muniz. O social irradiado: violência urbana, neogrotesco e mídia. São Paulo: Ed. Cortez, 1992.

SODRÉ, Muniz. Antropológica do espelho. Petrópolis: Vozes, 2002.

VELHO, Gilberto. Violência, reciprocidade e desigualdade: uma perspectiva antropológica. In: VELHO, Gilberto; ALVITO, Marcos (Orgs.) Cidadania e Violência. 2. ed. Rio de Janeiro: Ed. Fundação Getúlio Vargas; Ed. da UFRJ, 2000. p. 11-25.




 

Este obra está licenciada com uma Licença Creative Commons - Atribuição Sem Derivações 4.0 CC BY-NC-ND


FRAGMENTOS DE CULTURA | Pontifícia Universidade Católica de Goiás | Instituto de Filosofia e Teologia | Sociedade Goiana de Cultura | e-ISSN 1983-7828 | Qualis B3

Visitantes - (01/01/2006 - 08/11/2018)

País Usuários
Brasil 19.140 - 89,25%
Estados Unidos 732 - 3,41%
Portugal 385 - 1,80%
França 274 - 1,28%
Moçambique 151 - 0,70%
Angola 98 - 0,46%
Índia 59 - 0,28%
Peru 54 - 0,25%
Chile 50 - 0,23%
Total 21.250

Fonte: Google Analytics