DO HARLEM PARA O MUNDO: O FENÔMENO DO LINDY HOP ENTRE OS JOVENS DE ONTEM E DE HOJE

Diana Vaisman

Resumo


A dança é um meio de comunicação, um veículo para coesão social e uma fonte de liberdade e resistência. O Lindy Hop, dança social afro-americana que é objeto deste trabalho, nasceu nos anos 1920, no Harlem, em Nova York. Embalada pelo swing jazz, a dança causou um pânico moralista, mas ficou muito popular entre os jovens, virando um verdadeiro estilo de vida. Em declínio a partir da década de 1950, a dança renasceu nos anos 1980, possibilitando a existência de uma cena internacional vibrante nos dias de hoje. Esse artigo busca construir um histórico da relação entre Lindy Hop e juventude, além de mostrar como danças podem contribuir para mudanças na sociedade, da moda à quebra de barreiras sociais.

Palavras-chave


Lindy Hop; Swing Jazz; Dança; Juventude; Cultura Vintage.

Texto completo:

PDF PDF

Referências


AKE, D. Swingin' the Dream: Big Band Jazz and the Rebirth of American Culture by Lewis A. Erenberg. Champaign, IL: University of Illinois Press, 2000. Resenha de: ERENBERG, L. Swingin' the Dream: Big Band Jazz and the Rebirth of American Culture, v. 18, n. 2, p. 228–230, 1998.

ALMONTE, J. The State of the Hop: Looking Back, Moving Forward, and Swinging Out, 2014. Disponível em: < http://jsalmonteproductions.com/wanderingandpondering/2

/5/16/the-state-of-the-hop >. Acesso em: 20 maio 2017.

A NOSSA CAIXA. Cartografia do Talento. Produção OBS Lab. Lisboa, 2017.

BARRETO, D. Dança... Ensino, Sentidos e Possibilidades na Escola. Campinas, SP: Autores Associados, 2004. 178 p.

BATIUCHOK, M. The Lindy. Dissertação (Mestrado em Artes) – New York University, Nova York, NY, 1988.

BERENDT, J. Joachim Ernst Berendt by Randall Morris. [15 de junho, 1991]. Nova York: BOMB Magazine. Entrevista concedida a Randall Morris.

CAPONI-TABERY, G. Jump for Joy: Jazz, Basketball, and Black Culture in 1930s America. Amherst, MA: University of Massachusetts Press, 2008.

CAVASIN, C. A dança na aprendizagem. Revista Leonardo Pós, n. 3, p. 1-8, ago. 2003.

DEIMIQUEI, A; LIBERALI, R; ARTAXO, M. O perfil de aderência, permanência e motivação de praticantes de Lindy Hop e West Coast Swing como dança de salão no Brasil. Revista Brasileira de Prescrição e Fisiologia do Exercício, v. 7, n. 39, p. 268-277, jul. 2013.

ENGELBRECHT, B. Swinging at the Savoy. Dance Research Journal, v. 15, n. 2, p. 3-10, jul. 1983.

FONSECA, C. Esquema corporal, Imagem Corporal e Aspectos Motivacionais na Dança de Salão. Dissertação (Mestrado em Educação Física) – Universidade São Judas Tadeu, São Paulo, SP, 2008.

GIVEN, W. Lindy Hop, Community and the isolation of appropriation. In: GEORGE-GRAVES, N. (Ed). The Oxford Handbook of Dance and Theater. Nova York, NY: Oxford University Press, 2015. p. 729-750.

HANCOCK, B. American Allegory: Lindy Hop and the Racial Imagination. Chicago, IL: University of Chicago Press, 2013.

HANCOCK, B. Learning How to Make Life Swing. Qualitative Sociology, v. 30, n. 2, p. 113–133, 2007.

KASSING, G. Discovering Dance. Champaign, IL: Human Kinetics. 2014.

LÉVI-STRAUSS, C. Raça e História. In: Antropologia Estrutural Dois. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro, 1993, p. 328-367.

MADISON, D. World Lindy Hop Day. In: HUISKEN, D. (Ed). Frankie Manning: 100 Commemorative Book, 2014. p. 75.

MANNING, F; MILLMAN, C. Frankie Manning: Ambassador of Lindy Hop. Philadelphia, PA: Temple University Press, 2007.

MONAGHAN, T. Why Study the Lindy Hop?. Dance Research Journal, v. 33, n. 2, p. 124-127, 2001.

NANNI, D. Dança educação – Pré-escola à Universidade. Rio de Janeiro, RJ: Sprint, 2003.

NANNI, D. Dança educação – Princípios, Métodos e Técnicas. Rio de Janeiro, RJ: Sprint, 1995.

PAINS, C. Lindy hop, dança que nasceu na Nova York dos anos 1920, invade as festas cariocas. O Globo a Mais, Rio de Janeiro, 23 abr. 2015.

PARISH, P. The Lindy Hop: A Revival in full swing. Dance Magazine, v. 73, n. 9, pp. 50-52, set. 1999.

PORTINARI, M. História da Dança. Rio de Janeiro, RJ: Nova Fronteira, 1989.

RENSHAW, S. Postmodern Swing Dance and the Presentation of the Unique Self. In: KOTARBA, J.; JOHNSON, J. (Eds). Postmodern Existential Sociology. Walnut Creek, CA: Altamira Press, 2002. p. 63-85.

PORTINARI, M. Postmodern Swing Dance and Secondary Adjustment: Identity as Process. Symbolic Interaction, v. 29, n. 1, p. 83-94, 2006.

SARTO, K. Retratos da Vida: Dança e Lazer como Instrumentos de Inserção Social para a Juventude. Dissertação (Mestrado em Educação Física) – Universidade Metodista de Piracicaba, Piracicaba, SP, 2007.

SAVAGE, J. A Criação da Juventude: Como o conceito de teenage revolucionou o século XX. Tradução de Talita M. Rodrigues. Rio de Janeiro, RJ: Rocco, 2009.

SPRING, H. Swing and the Lindy Hop: dance, venue, media, and tradition. American Music, v. 15, n. 2, p. 183-207, 1997.

STRAW, W. Dance Music. In: FRITH, S.; STRAW, W.; STREET, J. (Eds). The Cambridge Companion to Pop and Rock. Cambridge: Cambridge University Press, 2001. p. 158-175.

STRICKLAND, M. Swing Dancing: How Dance Effectiveness May Influence Music Preference. Dissertação (Mestrado em Artes) – Florida State University, Tallahassee, FL, 2014.

TONELI, P. Dança de Salão: Instrumento para a qualidade de vida no trabalho. TCC (Graduação em Administração) – IMESA/FEMA, Assis, SP, 2007.

UNRUH, K. Jubilant spirits of freedom: Representations of the lindy hop in literature and film from the swing era to the swing revival. Tese (Doutorado em Filosofia) – Purdue University, West Lafayette, IN, 2012.

VARANDA, S. Corpos e expressão em movimento. A dança e a educação. Por que ensinar dança na escola? Batatais, v. 2, n. 1, p. 121-145, jan./jun. 2012.

VERDERI, E. Dança na escola: uma abordagem pedagógica. São Paulo, SP: Phorte, 2009.

VOLP, C., DEUTSCH, S., SCHWARTZ, G. Por que Dançar? Um Estudo Comparativo. Motriz, v. 1, n. 1, p. 52-58, jun. 1995.

WADE, L. The emancipatory promise of the habitus: Lindy hop, the body, and social change. Ethnography, v. 12, n. 2, p. 224-246, jun. 2007.

YAMANARI, T. O Vintage e o Retrô como estratégias visuais. Anais do IV Encontro Nacional de Estudos da Imagem, Londrina, maio de 2013.




DOI: http://dx.doi.org/10.18224/frag.v28i3.6619

 

Este obra está licenciada com uma Licença Creative Commons - Atribuição Sem Derivações 4.0 CC BY-NC-ND


FRAGMENTOS DE CULTURA | Pontifícia Universidade Católica de Goiás | Instituto de Filosofia e Teologia | Sociedade Goiana de Cultura | e-ISSN 1983-7828 | Qualis B3

Visitantes - (01/01/2006 - 08/11/2018)
País Usuários
Brasil 19.140 - 89,25%
Estados Unidos 732 - 3,41%
Portugal 385 - 1,80%
França 274 - 1,28%
Moçambique 151 - 0,70%
Angola 98 - 0,46%
Índia 59 - 0,28%
Peru 54 - 0,25%
Chile 50 - 0,23%
Total 21.250

Fonte: Google Analytics