A MÚSICA SACRA INDÍGENA TERENA – DIFERENTES OLHARES SOBRE O REPERTÓRIO DO CORO LU-TERENA

Isabel Cristina Blum Schneider, Fernanda Albernaz do Nascimento Guimarães

Resumo


Esta pesquisa demonstra parte do repertório entoado pelo coro Lu-Terena - um coro de aldeados indígenas Terena que habita a aldeia Aldeinha, Anastácio, Mato Grosso do Sul. O coro entoa hinos e salmos em sua língua nativa pertencente ao grupo sociolinguístico Aruák, inseridos na Missa Luterana da região. O objetivo: elucidar as sonoridades vigentes na música sacra indígena Terena, demonstrando como são feitos os escambos culturais entre os luteranos e os Terena. A metodologia qualitativa, demonstra procedimentos embasados na pesquisa in loco e bibliográfica. O resultado indica que foi preciso recorrer a diferentes olhares para abarcar as sonoridades: a estrutura Macro e Micro de Figueiredo; Pucci e as sonoridades indígenas; o sistema teórico Kamayurá de Bastos; a retórica e as ideias musicais de Piedade; e os gêneros do discurso de Bakhtin. Percebeu-se que nem todos os olhares contemplaram as sonoridades, demonstrando a necessidade da continuidade pela busca de olhares complementares.

Palavras-chave


Aldeia Aldeinha. Música sacra indígena Terena. Missa Luterana. Aldeia Aldeinha. Terena indigenous sacred music. Lutheran Mass.

Texto completo:

PDF

Referências


BAKHTIN, M. Estética da criação verbal. São Paulo: M. Fontes, 1997.

BAKHTIN, M. (VOLOCHINOV). Marxismo e Filosofia da Linguagem. Tradução de M. Lahud e Y. F. Vieira. 12. ed. São Paulo: Hucitec, 2006.

BASTOS, R. J. M. A musicológica Kamayurá: para uma antropologia da comunicação no Alto-Xingu, Brasília: Funai, 1978.

BASTOS, R. J. M. Esboço de uma teoria da música: para além de uma antropologia sem música e de uma musicologia sem homem. Anuário Antropológico, p. 9-73, 1995.

FIGUEIREDO, C. A. Música sacra e religiosa brasileira dos séculos XVIII e XIX: teorias e práticas editoriais. 2. ed. rev. Rio de Janeiro, s/d.

HINÁRIO LUTERANO. Senhor, meu Deus. Comissão de Culto da Igreja Evangélica Luterana do Brasil. Porto Alegre: Concórdia, n. 220.

NATTIEZ, Jean-Jacques. O desconforto da musicologia. Per Musi, n. 11, p. 5-18, 2005.

PIEDADE, A. T. Expressão e sentido na música brasileira: retórica e análise musical. Revista Eletrônica de Musicologia, UFPR, v. XI, s/p., set. de 2007. Disponível em: < http://www.rem.ufpr.br/_REM/REMv11/11/11-piedade-retorica.html >. Acesso em: 21 de out. de 2018.

PIEDADE, A. T. Análise musical e contexto na música indígena: a poética das flautas. TRANS - Revista Transcultural de Música/ Transcultural Music Review 15. SIBE – Sociedade de Etnomusicologia, n. 15, p. 1-22. 2011. Disponível em: < https://www.sibetrans.com/trans/public/docs/trans_15_17_Piedade.pdf >. Acesso em: 21 de out. de 2018.

PUCCI, M. Influência da voz indígena na música brasileira. Música Popular em Revista, Campinas, ano 4, v. 2, p. 5- 30, jan.-jun. 2016. Disponível em: < https://www.publionline.iar.unicamp.br/index.php/muspop/article/view/994/1031 > Acesso em: 21 out. 2018.

SOUZA, A. G. R.; CLIMACO, M. M. Música, gênero e retórica: uma abordagem interdisciplinar de estudos musicológicos. In: CACHADA, Armínio. (Org.). Pensar a Música. Guimarães: Sociedade Musical de Guimarães, 2013. p. 25-48.




DOI: http://dx.doi.org/10.18224/frag.v28i4.6832

Documento sem título
 

Este obra está licenciada com uma Licença Creative Commons - Atribuição Sem Derivações 4.0 CC BY-NC-ND


FRAGMENTOS DE CULTURA | Pontifícia Universidade Católica de Goiás | Instituto de Filosofia e Teologia | Sociedade Goiana de Cultura | e-ISSN 1983-7828 | Qualis B3

Visitantes - (01/01/2006 - 20/12/2018)
País Usuários
Brasil 21.333
Estados Unidos 918
Portugal 462
França 277
Moçambique 178
Angola 109
Índia 65
Peru 56
Chile 55
Total 23.881

Fonte: Google Analytics