DO ACADÊMICO IMERSIVO AO OPERADOR DO DIREITO CONTEMPLATIVO: A FORMAÇÃO DA COMPETÊNCIA LEITORA

Návia Regina Ribeiro da Costa, Rômulo da Silva Vargas Rodrigues

Resumo


Este artigo é um relato de experiência na Educação Jurídica, no campo da Linguagem, e tem a finalidade de refletir sobre o perfil cognitivo do atual acadêmico de Direito, tendo como foco a formação da competência leitora desse estudante, buscando compreender se o intenso uso de Tecnologias Digitais de Informação e Comunicação (TICs) influenciam positiva ou negativamente nesse processo. É resultado de uma pesquisa de abordagem qualitativa, que se utilizou da técnica da observação participante, enquadrando-se no campo dos estudos de tipo etnográfico. Considerou finalmente que as TICs são uma importante ferramenta para a formação profissional do operador do Direito, demandando da comunidade acadêmica docente uma postura de direcionamento do estudante ao uso eficaz dessas tecnologias na sua formação como leitor competente.

Palavras-chave


Competência leitora. Acadêmico imersivo. Operador jurídico contemplativo. TICs. Reading competence. Immersive student. Contemplative legal operator. ICTs.

Texto completo:

PDF

Referências


BAKTHIN, Mikhail. Estética da criação verbal. Tradução de Maria Emsnatina Galvão G. Pereira. 2. Ed. São Paulo: M. Fontes, 1997.

BARROS, Daniela Melaré Vieira et al. (Orgs.). Educação e tecnologias: reflexão, inovação e práticas. Lisboa: [s.n.], 2011. (e-book).

BELLUZZO, Regina Célia Baptista; FERES, Glória Georges. Tecnologias e a formação de leitores: desafios na sociedade contemporânea. In: BARROS, Daniela Melaré Vieira et al. (Orgs.). Educação e tecnologias: reflexão, inovação e práticas. Lisboa: [s.n.], 2011. (e-book).

BRASIL. Resolução CNE/CEB n.07 14/12/2010 fixa as Diretrizes Curriculares para o Ensino Fundamental de 9 anos. Disponível em: www.mec.gov.br. Acesso em: 07 jan. 2016.

BRASIL. Lei n. 11.419, de 19 de dezembro de 2006. Disponível em: www.planalto.gov.br. Acesso em: jan. 2018.

BRASIL. Lei n. 9.610, de 19 de fevereiro de 1998. Disponível em: www.planalto.gov.br. Acesso em: 10 jan. 2018.

BRASIL. Código Penal Brasileiro. Decreto-lei n. 2.848, de 7 de dezembro de 1940. Disponível em: www.senado.gov.br/legislacao. Acesso em: 10 jan. 2018.

CARVALHO, Sergio Lage T. A saturação do olhar e a vertigem dos sentidos. Revista Usp, n. 32, p. 126-154, 1996.

CHARTIER, Roger. Práticas de leitura. Tradução de Cristiane Nascimento. São Paulo: Estação Liberdade, 1996.

CHARTIER, Roger. A aventura do livro: do leitor ao navegador. Tradução de Reginaldo Carmello Corrêa de Moraes. São Paulo: Edunesp, 1999.

DE PLÁCIDO E SILVA. Vocabulário jurídico. 20. ed. Rio de Janeiro: Forense, 2002.

DUDZIAK, Elizabeth Adriana. A information literacy e o papel educacional das bibliotecas. 2001. 173f. Dissertação (Mestrado em Ciências da Comunicação) – Universidade de São Paulo, 2001.

FÁVERO, Leonor Lopes. Coesão e coerência textuais. 11. ed. São Paulo: Ática, 2009. Série Princípios.

FREIRE, Paulo. A importância do ato de ler: três artigos que se completam. São Paulo: Cortez, 1984. Col. Polêmicas do nosso Tempo.

GIRAFFA, Lúcia M. M. et al. (Re)invenção tecnológica? Reflexões acerca do uso de tecnologias digitais na educação. Porto Alegre, EdiPUCRS, 2012.

LÉVY, Pierre. Cibercultura. Rio de Janeiro: Ed. 34, 1999.

LÉVY, Pierre. A inteligência coletiva: por uma antropologia do ciberespaço. São Paulo: Loyola, 2000.

MANGUEL, Alberto. Uma história da leitura. Tradução de Pedro Maia Soares. São Paulo: Cia. das Letras, 1997.

MARTINS, Maria Helena. O que é leitura. São Paulo: Brasiliense, 1994. Col. Primeiros Passos.

MARCUSCHI, Luiz Antônio; XAVIER, Antônio C. (Orgs.). Hipertexto e gêneros digitais: novas formas de construção de sentido. Rio de Janeiro: Lucerna, 2005.

NORA, Dominique. La conquista del ciberespacio. Tradução de Carlos Gardini. Barcelona: Editorial Andrés-Bello, 1997.

PETRY, André. A revolução do pós-papel. Veja, São Paulo, ed. 2.300, ano 45, n. 51, 19 dez. 2012.

PONJUÁN, G. Papel de la colaboración entre líderes de vários sectores para la creación de uma cultura informacional. (2002). Disponível em: www.nclis.gov/libinter/infolitconf&meet/papers/ponjuan-fullpaper.pdf. Acesso em: 10 jan. 2018.

PRENSKY, Marc. Nativos digitais, imigrantes digitais. On the Horizon, v. 9, n. 5, Oct. 2001. Disponível em:marcprensky.com. Acesso em: 20 maio 2018.

PRENSKY, Marc. From digital natives to digital wisdom: hopeful essays for 21st century learning. USA: Corwin a Sage Company, 2012.

REALE, Miguel. Variações sobre o livro e a internet. (Artigo de 28 jan. 2006). Disponível em: http://www.miguelreale.com.br/artigos/varlivnet.htm. Acesso em: 13 jan. 2018.

ROJO, Roxane. Letramentos múltiplos, escola e inclusão social. São Paulo: Parábola Editorial, 2010.

ROJO, Roxane. Alfabetização e letramentos múltiplos: como alfabetizar letrando? In: LINGUA Portuguesa: ensino fundamental. Coordenação de Egon de Oliveira Rangel e Roxane Helena Rodrigues Rojo. Brasília: Ministério da Educação, Secretaria de Educação Básica, 2010.

SANTAELLA, Lúcia. Navegar no ciberespaço: o perfil cognitivo do leitor imersivo. São Paulo: Paulus, 2004.

SANTAELLA, Lúcia. In: SIMPÓSIO INTERNACIONAL DE INOVAÇÃO EM MÍDIAS INTERATIVAS, de 09 a 11 de maio de 2012, Goiânia: Universidade Federal de Goiás. (Mesa Redonda).

SOARES, Magda Becker. Letramento: um tema em três gêneros. Belo Horizonte: Autêntica, 1998.

WIRTH, Uwe. Literatura na internet, ou: a quem interessa, quem lê? In: GIANNETTI, Claudia (Org.). Ars telemática, telecomunicações, internet e ciberespaço. Mediações, p. 93-116, 1998.

YUNES, Eliana. O livro e as mídias. (2002). Disponível em: http://www.senac.br/informativo/BTS/283/boltec283d.htm. Acesso em: 10 jan. 2018.




DOI: http://dx.doi.org/10.18224/gua.v8i2.6905

Rodapé - Fragmentos
 

Este obra está licenciada com uma Licença Creative Commons - Atribuição Sem Derivações 4.0 CC BY-NC-ND


GUARÁ | Departamento de Letras | Pontifícia Universidade Católica de Goiás | e-ISSN 2237-4957 | Qualis B2

Visitantes - (01/01/2011 - 01/08/2019)
País Usuários
Brasil 1.863
França 266
Estados Unidos 158
Portugal 50
Alemanha 39
Iraque 26
Ukrania 22
Yemen 20
Itália 18
Total 2.618

Fonte: Google Analytics.