A Look at Gender Relations in the Production of Clay Things

Camila Azevedo de Moraes Wichers, Luiz Antonio Pacheco de Queiroz, Juliana Freitas, Luciana Bozzo Alves

Resumo


In this article, we discuss the gender relations in the production of pottery – the “clay things”. Firstly, we draw a dialogue with gender studies in Archeology. Next, we explain the use of the category "ceramics of local / regional production". We present in detail the operative chain for the production of ceramic artifacts in the district of Santa Rita, city of Ouricuri, Pernambuco. Finally, we draw some comparative reflections between the information derived from Santa Rita and other studies focused on ceramic production in traditional communities of the semi-arid region, in northeast of Brazil, evidencing that the gender action does not have a fixed set of norms, being marked by processes that affect and are affected by other social spheres.


Um Olhar para as Relações de Gênero na Produção das Coisas de Barro

Neste artigo, discutimos as relações de gênero na produção das coisas de barro. Primeiramente, traçamos um diálogo com os estudos de gênero na Arqueologia. Em seguida, explicitamos o uso da categoria “cerâmica de produção local/ regional”. Passamos então, ao detalhamento da cadeia operatória de produção de artefatos cerâmicos no distrito de Santa Rita, município de Custódia, Pernambuco. Por fim, traçamos algumas reflexões comparativas entre os dados advindos desse estudo e outras pesquisas voltadas à produção cerâmica em comunidades tradicionais do semiárido nordestino, evidenciando que a ação de gênero não está presa a um conjunto fixo de normas, sendo marcada por processos que afetam e são afetados por outras esferas sociais.

Palavras-chave


Archaeology; Gender; Pottery; Arqueologia; Gênero; Cerâmica

Texto completo:

PDF

Referências


AMARAL, Daniella M. Loiça de Barro do Agreste: um estudo etnoarqueológico de cerâmica histórica pernambucana. Dissertação (Mestrado em Arqueologia, Museu de Arqueologia e Etnologia) - Universidade de São Paulo, São Paulo, 2012.

BERROCAL, María C. Feminismo, teoría y práctica de una arqueología científica. Trabajos de prehistoria, Madrid, v. 66, n. 2, p. 25-43, 2009.

BROCHADO, José P. et al. Arqueologia brasileira em 1968: um relatório preliminar sobre o Programa Brasileiro de Pesquisas Arqueológicas. Publicações Avulsas, Belém, n. 12, p. 1-40, 1969.

CHYMZ, Igor. Terminologia arqueológica brasileira para a cerâmica. Cadernos de Arqueologia, Paranaguá, ano 1, n. 1, p. 119-148, 1976.

CONKEY, Margaret. W.; GERO, Joan. M. Programe to pratice: gender and feminism in archaeology. Annual Review of Anthropology, v. 26, p. 411-437, 1997. Disponível em: . Acesso em: 15 maio 2017.

CONKEY, Margaret. W.; SPECTOR, Janet. D. Archaeology and the study of gender. Advances in Archaeological Method and Theory, v. 7, p. 1-38, 1984. Disponível em: . Acesso em: 15 maio 2017.

DALGLISH, Lalada. Noivas da Seca: cerâmica popular do Vale do Jequitinhonha. São Paulo: Editora UNESP, Imprensa Oficial do Estado de São Paulo, 2008.

DÍAZ-ANDREU, Margarita. Género y arqueología: una nueva síntesis. In: SÁNCHEZ ROMERO, M. (Ed.). Arqueología y Género. Granada: Universidad de Granada, 2005, p. 13-51.

GERO, Joan M. Troubled travels in agency and feminism. In: DOBRES, M.; ROBB, J. E. (Ed.) Agency in archaeology. USA/ Canada: Routledge, 2000, p. 34-39.

GNECCO, Cristóbal. “Escavando” arqueologias alternativas. Revista de Arqueologia, SAB, São Paulo, v. 25, n. 2, p. 08-22, 2012.

GONZÁLEZ-RUIBAL, Alfredo. De la etnoarqueología a la arqueología del presente. In: SALAZAR, J., et al. (Coord.). Mundos Tribales: Una visión etnoarqueológica. València: Museu de Prehistòria de València, 2009, p. 16-27.

GOSSELAIN, Olivier. Social and technical identity in a clay Cristal Ball. In: STARK, M. (ed.). The archaeology of social boundaries. Washington: Smithsonian Institution Press, 1998, p. 78-106.

HALL, Stuart. A identidade cultural na pós-modernidade. Rio de Janeiro: DP&A, 2005.

HAMILAKIS, Yannis; J. LABANYI. Introduction: time, materiality, and the work of memory. History and Memory, Baltimore, v. 20, n. 2, p. 5-17, 2008.

HAMILAKIS, Yannis. Archaeological ethnography: a multitemporal meeting ground for archaeology and anthropology. Annual Review of Anthropology, n. 40, p. 399-414, 2011. Disponível em: . Acesso em: 23 set. 2017.

HAMILAKIS, Yannis. Arqueología y sensorialidad. Hacia uma ontologia de afectos y flujos. Vestígios, Revista Latino-Americana de Arqueologia Histórica, Belo Horizonte, v. 9, n. 1, p. 29-53, 2015.

HAMILAKIS, Yannis; ANAGNOSTOPOULOS, Aris. What is archaeological ethnography? Public Archaeology: Archaeological ethnographies, v. 8, n. 2–3, p. 65-87, 2009. Disponível em: . Acesso em: 04 out. 2017.

INGOLD, Tim. Trazendo as coisas de volta à vida: emaranhados criativos num mundo de materiais. Horizontes antropológicos, Porto Alegre, ano 18, n. 37, p. 25-44, 2012.

JOHNSON, Matthew. Self-made men and the staging of agency. In: DOBRES, M.; ROBB, J. E. (Eds.). Agency in archaeology. USA/ Canada: Routledge, p. 213-231, 2000.

LIMA, Danúbia V. R. de; CASTRO, Viviane M. C. de; SILVA, Sergio F. S. M. da. Arqueologia de gênero: uma análise crítica da construção histórica do passado. Clio. Série Arqueológica, Recife, v. 27, n. 2, p. 1-27, 2012.

LIMA, Ricardo G. Louça de perfeição: a cerâmica baiana do município de Barra. Rio de Janeiro: Funarte, CFCP, 1996.

LIMA, Ricardo G.Arte popular e artesanato: falamos da mesma coisa? Ciências Humanas e Sociais em Revista, Seropédica, Rio de Janeiro, v. 31, n. 1, p. 95-109, 2009.

LIMA, Ricardo G. O Povo do Candeal: caminhos da louça de barro. Rio de Janeiro: Aeroplano, 2012.

MARTÍ, Ruth F. La arqueología del género: Espacios de mujeres, mujeres con espacio. Cuadernos de Trabajos de Investigación, n. 6, Alicante, 2003.

MATTOS, Sônia M. Artefatos de gênero na arte do barro (Jequitinhonha). Vitória: EDUFES, 2001.

MENDES, Francisca R. N. Modelando a vida no Córrego de Areia: tradição, saberes e itinerários das louceiras. Fortaleza: Expressão Gráfica Editora, 2011.

MENDONÇA, Elizabete; LIMA, Ricardo G. Ribando potes: cerâmica de Passagem. Rio de Janeiro: Funarte, CNFCP, 2003.

MILLER, Daniel. Materiality: an introduction. In: MILLER, Daniel (Ed.). Materiality. Durham and London: Duke University Press, 2005, p. 1-50.

NELSON, Sarah M. Gender in archaeology: analyzing power and prestige. Altamira Press: Walnut Creek, 2004.

QUEIROZ, Luiz A. P. de. Água fria é no pote do cariri cearense. Dissertação (Mestrado em Arqueologia, Departamento de Arqueologia) - Universidade Federal de Sergipe, São Cristóvão, 2015.

QUEIROZ, Luiz A. P. de; BARBOSA-GUIMARÃES, Márcia. Significados de potes cerâmicos: uma perspectiva etnoarqueológica. REVIPI, v. 2, n. 1, p.1-8, 2016.

SCHAAN, Denise P. Estatuetas antropomorfas Marajoara: O simbolismo de identidades de gênero em uma sociedade complexa Amazônica. Boletim do Museu Paraense Emilio Goeldi, Série Antropologia, Belém, v. 17, n. 2, p. 437-477, 2001.

SCHAAN, Denise P. A ceramista, seu pote e sua tanga: identidade e papéis sociais em um Cacicado Marajoara. Revista de Arqueologia, São Paulo, n. 16, p. 31-45, 2003.

SCOTT, Joan W. Gênero: uma categoria útil de análise histórica. Educação & Realidade, Porto Alegre, v. 20, p. 71-99, 1995.

SILVA, Fabíola A. Etnoarqueologia: uma perspectiva arqueológica para o estudo da cultura material. Métis: História & Cultura, Caxias do Sul, v. 8, n. 16, p. 121-139, 2009.

SOUZA, Rafael de A. Um lugar na caatinga: consumo, mobilidade e paisagem no semiárido do nordeste brasileiro. Tese de Doutorado (Doutorado em Ambiente e Sociedade, Instituto de Filosofia e Ciências Humanas) - Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2017.

THOMPSON, Paul. A voz do passado: História oral. São Paulo: Paz e Terra, 1992.

WRIGHT, Rita P. Women’s labor and pottery production in prehistory. In: GERO, Joan M.; CONKEY, Margaret (Eds.). Engendering archaeology: women and prehistory. Cambridge: Blackwell, 1991, p. 194-223.

ZANETTINI, Paulo E.; MORAES-WICHERS, Camila A. de. A cerâmica de produção local/ regional em São Paulo colonial. In: MORALES, Walter Fagundes; MOI, Flavia Prado (Org.). Cenários regionais em arqueologia brasileira. São Paulo: Annablume, 2009, p. 311-334.

ZUSE, Silvana. Os Guarani e a redução jesuítica: tradição e mudança técnica na cadeia operatória de confecção dos artefatos cerâmicos do sítio Pedra Grande e entorno. Dissertação (Mestrado em Arqueologia) - Universidade de São Paulo, 2009.




DOI: http://dx.doi.org/10.18224/hab.v16i1.6007

Direitos autorais 2018 Camila Azevedo de Moraes Wichers, Luiz Antonio Pacheco de Queiroz, Juliana Freitas, Luciana Bozzo Alves

Este obra está licenciada com uma Licença Creative Commons - Atribuição Sem Derivações 4.0 CC BY-NC-ND


HABITUS | Instituto Goiano de Pré-História e Antropologia | Pontifícia Universidade Católica de Goiás | e-ISSN 1983-7798 | Qualis B2