The Potters and the Archaeologist: the Clay in the Construction of Different Bodies

Lílian Panachuk

Resumo


In this article, guided by experienced ceramists, I was able to delve into the pottery productive universe, not only observing these ceramist women, but thinking with my hands. This commitment to learning a motor skill has allowed new questions to surface, modifying my point of view regarding the artifact. As in the productive process that I have been learning, this text has come and go, and these retakes have been part of its modeling process, of my own learning process. And so, it may seem overly intersubjective, because it approaches frontier paradigms. Focusing on the gestures, the production of the text also gave the groping, with the body being the guide on the way. The gesture is pure ubiquity, being at the same time intellectual and material denotes the know-how itself; or rather, more than that, it allows the doing-being because in building the materiality develops at the same time, the identity. As Leroi-Gourhan (1965, p. 44) said long time before, "it is in what produces or does, not in what is, what a human hand manifest itself as such".

As Ceramistas e a Arqueóloga: a Argila na Construção de Corpos Distintos

A olaria é uma técnica corporal exigente que requer um corpo ativo. É preciso (constantemente) atenção voluntária, treino, repetição, abertura à crítica e autocrítica, tolerância à dor (e de novo). Mas é fundamental saber montar e desmontar - sempre como processo contínuo – o sujeito e a matéria, a pessoa e o objeto, de forma inseparável. O barro é também uma pessoa e a pessoa um corpo-máquina, ciborgue (Haraway, 2000). Um corpo molda o outro de forma relacional (Joyce, 2000) em um processo recíproco de objetivação-subjetivação (Santos-Granero, 2009).
Para as ceramistas com as quais convivo nos espaços urbanos, só existe o ser no fazer, esses verbos se constroem mutuamente e se enredam, não há vida sem argila. Ser essa pessoa tem estreita relação com o fazer cerâmico. Como já aprendemos faz tempo com Simone de Beauvoir e Judith Butler, nos tornamos mulheres nessa construção material e simbólica; e distintas umas das outras, mulheres situadas. Nesse sentido, interessa aqui debater algumas dessas construções e sociabilidades em fazer-ser uma mulher ceramista em um contexto urbano. Elas se constroem em um esforço voluntário, consciente e proativo em seu ofício, como mulheres-ceramistas. Entre ceramistas a máxima “sinto, logo sou” é potencializada, e é então um corpo ativo que aplica uma teoria viva ao seu meio ambiente (Le Breton, 2016).
Nesse artigo pretendo interligar pessoas, coisas e fatos, para construir uma narrativa (parcial) sobre a tecnologia cerâmica e os diferentes corpos que ela produz. A perspectiva, no entanto, não é minha nem delas sendo ao mesmo tempo também nossa. É a argila, narradora da história, que dita o tempo, constrói, conecta e transforma os diferentes corpos. É essa perspectiva da materialidade que desejo seguir, incluindo os gestos técnicos como perspectiva teórico-prática.

Palavras-chave


Ceramics; Archaeological Experimentation; Technical Gestures, Body, Teaching and Learning Process; Cerâmica; Experimentação Arqueológica; Gestos Técnicos; Corpo, Processo de Ensino e Aprendizagem

Texto completo:

PDF

Referências


ADOVASIO, Jim; SOFFER, Olga; PAGE, Jake. Sexo Invisível. O verdadeiro papel da mulher na pré-história. Rio de Janeiro e São Paulo: Edições Record, 2009.

BACHELARD, Gaston. A dialética da duração. São Paulo: Editora Ática, 1988 [1950].

BACHELARD, Gaston. A psicanálise do fogo. São Paulo: Martins Fontes, 2008 [1949].

BACHELARD, Gaston. A terra e os devaneios da vontade. Ensaio sobe a imaginação das forças. São Paulo: Martins Fontes, 2013 [1948].

BEAUVOIR, Simone. O segundo sexo. A experiência vivida. Rio de Janeiro: Editora Nova Fronteira, 2016 [1949].

BRANQUINHO, Fátima. Quem disse que não existe a ciência do ceramista? PROA. Revista de Antropologia e Arte, v. 1, n. 3, 2011. Disponível em: .

BUTLER, Judith. Cuerpos que importan. Espanha: Editora Paidós, 2008.

FABIAN, Johannes. O tempo e o outro. Como a antropologia estabelece seu objeto. Petrópolis, Rio de Janeiro: Editora Vozes, 2013 [1993].

FAVRET-SAADA, Jeanne. Ser afetada. Caderno de campo, v. 13, p. 155-161, 2005.

FLUSSER, Vilém. Gestos. São Paulo: Annablume, 2014.

FOGAÇA, Emílio. Mãos para o pensamento. A variabilidade tecnológica de indústrias líticas de caçadores-coletores holocênicos a partir de um estudo de caso: as camadas VIII e VII da Lapa do Boquete (Minas Gerais, Brasil - 12.000/10.500 B.P.). Tese (Doutorado em História) - Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, PUCRS, Rio Grande do Sul, 2001.

GALLAHUE, David; OZMUN, John; GOODWAY, Jacqueline. Compreendendo o desenvolvimento motor: bebês, crianças, adolescentes e adultos. Tradução Denise Regina de Sales. Revisão técnica Ricardo Petersen. 7ª edição. Porto Alegre: AMGH, 2013.

GELBERT, Agnès. Emprunt tchnique et changement gestuel: mesure des contraentes motrices em jeu dans les emprunts céramiques de la vallé du Senegal. Revue d’anthropologie des connaissances, vol. XIV, n. 2, p. 261-281, 2002.

GRECCO, P. J.; BENDA, R. N. Aprendizagem e desenvolvimento motor I. In: Carla Ivonete Silva; Ana Cláudia Porfírio Couto (Org.). Manual do treinador de natação. 1ª ed. Belo Horizonte: Edições FAM, v. 1, p. 15-40, 1999.

HARAWAY, Donna. Manifesto ciborgue - ciência, tecnologia e feminismo¬ socialista no final do século XX. Belo Horizonte: Autêntica, 2001.

HAYWOOD, Kathleen; GETCHELL, Nancy. Desenvolvimento motor ao longo da vida. Porto Alegre: Editora ARTMED, 2016.

HODDER, Ian. Entangled: an archaeology of the relationships between humans and things. Willey-Blackwell: Malden, MA, 2012.

INGOLD, Tim. Being alive: essays on movement, knowledge and description. London. New York: Routledge, 2011.

INGOLD, Tim. Trazendo as coisas de volta à vida: Emaranhados criativos num mundo de materiais. Horizontes Antropológicos, Porto Alegre, v. 18, n. 37, p. 25-44, 2012.

JOYCE, Rosemary. Girling the girl and boying the boy: the production of adulthood in Ancient Mesoamerica. World Archaeology, Human Lifecycles, v. 31, n. 3, p. 473-483, feb. 2000.

LABAN, Rudolf. Domínio do movimento. São Paulo: Summus editorial, 1971.

LAGROU, Els. A fluidez da forma: arte, alteridade e agência em uma sociedade amazônica (Kaxinawa, Acre). Rio de Janeiro: TopBooks, 2007.

LATOUR, Bruno. Como falar do corpo? A dimensão normativa dos estudos sobre a ciência. In: NUNES, J. A.; ROQUE, R. (Org.). Objetos impuros: experiências em estudos sociais da ciência. Porto: Afrontamento, 2007. p. 40-61.

LE BRETON, David. Antropologia dos sentidos. Petrópolis. Rio de Janeiro: Editora Vozes, 2016.

LEMINSKI, Paulo. O que o barro quer, 2008. Disponível em: .

LEROI-GOURHAN, André. Le geste et la parole. Tomo I.Paris: Albin Michel, 1964.

LEROI-GOURHAN, André. Le geste et la parole. Tomo II. Paris: Albin Michel, 1965.

LÉVI-STRAUSS, Claude. A oleira ciumenta. Portugal: Edições 70, 1985.

LÉVI-STRAUSS, Claude. O pensamento selvagem. Campinas: Editora Papirus, 2011.

LIMA, Tania Andrade. Chá e simpatia: uma estratégia de gênero no Rio de Janeiro oitocentista. An. Museu Paulista, v. 5, n. 1, p. 93-129, 1997.

MAUSS, Marcel. Ensaios de sociologia. São Paulo: Editora Perspectiva, 2001.

MAUSS, Marcel. Sociologia e Antropologia. São Paulo: Cosac Naify, 2003.

MONTESSORI, Maria. A descoberta da criança: pedagogia científica. Campinas, São Paulo: Kirion, 2017 [1912].

NORDENSKIÖLD, Erland. L’archeologie du bassin de l’Amazone. Paris: Editions G. van Oest (Ars Americana 1), 1930.

PALMATARY, Helen. The archaeology of the lower Tapajós valley, Brazil. Transactions of the American philosophical society. Philosophical Society. Stable New Series, v. 50, n. 3, American 1960.

PANACHUK, Lílian. A ciência do barro e os sentidos: percepções sobre experimentos cerâmicos arqueológicos em Juruti, Pará, baixo amazonas. Teoria e Sociedade, v. 2, n. 24, p. 31-54, 2016.

PRADO, Jacqueline. A arte da cerâmica de Minas Gerais. Belo Horizonte: Editora C/Arte, 2016.

RIBEIRO, Loredana. Crítica feminista, arqueologia e descolonialidade: sobre resistir na ciência. Revista de Arqueologia, v. 30, n. 1, p. 210-234, 2017.

ROUX, Valentine. Pour une étude des habiletés techniques selon une approche interdisciplinaire. Revue d’anthropologie des connaissances, v. XIV, n. 2, 2002.

SANTOS-GRANERO, F. (Org.). The occult life of things: native Amazonian theories of materiality and personhood. Tucson: The University of Arizona Press, 2009.

SENNETT, Richard. O artífice. Rio de Janeiro. São Paulo: Editora Record, 2009.

SERRES, Michel. Os cinco sentidos. Filosofia dos corpos misturados 1. Rio de janeiro: Bertrand Brasil, 2001.

SERRES, Michel. Variações sobre o corpo. Rio de janeiro: Bertrand Brasil, 2004.

STANISLAVSKI, Constantin. A preparação do ator. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1999.

TANI, Go et al. Aprendizagem motora: tendências, perspectivas e aplicações. Revista Paulista de Educação Física, São Paulo, v. 18, p. 55-72, 2004.

TANI, Go et al. Pesquisa na área de comportamento motor: modelos teóricos, métodos de investigação, instrumentos de análise, desafios, tendências e perspectivas. Revista da Educação Física, v. 21, n. 3, p. 1-52, 2010.

TARDE, Gabriel. Monadologia e sociologia e outros ensaios. São Paulo: CosacNaify, 2007.

TOSTES, Celeida. Arte do fogo, do sal e da paixão. Rio de Janeiro: Fundação Cultural Banco do Brasil, 2003.

VIANNA, Klauss. A dança. São Paulo: Edições Siciliano, 1990.

VIVEIROS DE CASTRO, Eduardo. O modelo e o exemplo: dois modos de mudar o mundo. Conferência no evento “90 anos da UFMG”, 09/10/2017.

WATTS-POWLESS, Vanessa. Lugar-pensamento indígena e agência de humanos e não humanos. (A Primeira Mulher e a Mulher Céu embarcam numa turnê pelo Mundo Europeu). Espaço Ameríndio, Porto Alegre, v. 11, n. 1, p. 250-272, 2017.




DOI: http://dx.doi.org/10.18224/hab.v16i1.6073

Direitos autorais 2018 Lílian Panachuk

Este obra está licenciada com uma Licença Creative Commons - Atribuição Sem Derivações 4.0 CC BY-NC-ND


HABITUS | Instituto Goiano de Pré-História e Antropologia | Pontifícia Universidade Católica de Goiás | e-ISSN 1983-7798 | Qualis B2