FÉ E FESTIVIDADES NAS IRMANDADES NEGRAS NO INTERIOR DO BRASIL: (RE)AFIRMAÇÃO IDENTITÁRIA AFRODIASPÓRICA

Rosinalda Côrrea da Silva Simoni, Noeci Carvalho Messias

Resumo


O presente texto é extraído de pesquisas realizadas pelas autoras durante seus respectivos doutorados em História, pela Universidade Federal de Goiás, Religiosidade e devoção: as festas do Divino e do Rosário em Monte do Carmo e em Natividade, Tocantins, 2010, Noeci Carvalho Messias, e em Ciências da Religião pela Pontifícia Universidade Católica de Goiás, intitulada Congada da Vila João Vaz em Goiânia: memória e tradição, 2017, Rosinalda C. da Silva Simoni. Nas pesquisas buscamos compreender a complexidade das irmandades negras e a riqueza de seus rituais festivos, dentre eles a congada. Refletindo sobre o papel desta manifestação religiosa enquanto norteadora social e palco de resistência étnica cultural e religiosa. Neste artigo buscamos mostrar parte da pesquisa que compôs as duas teses citadas. Entrelaçando o contexto histórico do nascimento e perpetuação dessa manifestação e a importância religiosa para seus praticantes; apontando a mesma como uma manifestação religiosa de re(afirmação) identitária afrodiaspórica.

Texto completo:

PDF

Referências


ALMEIDA, A. A. A Irmandade de Nossa Senhora do Rosário dos Pretos da Cidade de Goiás do século XIX. TCC (Pós-Graduação lato sensu em História do Brasil) – Universidade Estadual de Goiás, Cidade de Goiás, 2001.

ALMEIDA, Renato. Congadas. In:Relação dos discos gravados no estado de Goiás. Centro de Pesquisas Folclóricas. Escola Nacional de Música, Univ. do Brasil, Rio de Janeiro, 1950.

AGUIAR, Marcos Magalhães de. Negras Minas Gerais: uma História da diáspora africana no Brasil Colonial. Tese (Doutorado em História) São Paulo: USP, 1999.

BASTIDE, Roger. As Américas negras: as civilizações africanas no novo mundo. Tradução de Edmundo de Oliveira e Oliveira. São Paulo: DIFEL; Edusp, 1974.

BORGES, Célia Maia. Escravos e libertos nas Irmandades do Rosário: devoção e solidariedade em Minas Gerais – século XVIII e XIX. Juiz de Fora: UFJF, 2005.

BOSCHI, Caio César. Os leigos no poder. Irmandades leigas e política colonizadora em Minas Gerais. São Paulo: Ática, 1986.

BOURDIEU, Pierre. Gênese e estrutura do campo religioso. In: MICELI, S. (Org). A economia das trocas simbólicas. São Paulo: Perspectiva, 1986. p. 27-78. (Coleção Estudos).

BOURDIEU, Pierre. A economia das trocas simbólicas. Tradução de Sergio Miceli, Silvia de Almeida Prado, Sonia Miceli e Wilson Campos Vieira. São Paulo: Perspectiva, 1992.

BRANDÃO, Carlos Rodrigues. Peões, Pretos e Congos: relações de trabalho e identidade étnica em Goiás. Dissertação (Mestrado) – Universidade de Brasília, Brasília, 1977.

BRANDÃO, Ascânio. São Benedito, o santo preto. Aparecida: Santuário, 1986.

CASCUDO, Luis da Câmara. Dicionário do Folclore brasileiro. São Paulo, ED. Melhoramentos 1980.

CARVALHO, Euzebio Fernandes. O rosário de Aninha [manuscrito]: os sentidos da devoção rosarina na escritura de Anna Joaquina Marques (Cidade de Goiás, 1881-1930).




DOI: http://dx.doi.org/10.18224/mos.v12i1.7330

Rodapé - Mosaico
 

Este obra está licenciada com uma Licença Creative Commons - Atribuição Sem Derivações 4.0 CC BY-NC-ND

MOSAICO | Programa de Pós-Graduação em História | Pontifícia Universidade Católica de Goiás | e-ISSN 1983-7801 | Qualis CAPES Preliminar 2019 = A3

Visitantes - (05/09/2017 - 03/12/2019)

Fonte: Google Analytics.