Imigração de mulheres haitianas em Belo Horizonte/Brasil: identidades femininas, relatos de si e autonomia

Ângela Cristina Salgueiro, Dina Therrier

Resumo


O trabalho busca analisar como mulheres haitianas imigrantes elaboram “relatos de si” de modo a revelar, em entrevistas semi-estruturadas, suas existências e experiências na cidade de Belo Horizonte, destacando as práticas e ações intersubjetivas que constroem para viverem e ser valorizadas no cotidiano do país e no universo do trabalho. Este trabalho procurou mostrar, através das entrevistas, como mulheres haitianas imigrantes compreendem seu cotidiano e o trabalho que realizam no Brasil e as relações sociais que condicionam esse trabalho e constrangem sua ação, auto-realização e autonomia. Ganhou destaque o esforço dessas mulheres em conferir sentido à sua trajetória migratória e diaspórica, em reorganizar a narrativa da vida e de seu cotidiano, a invenção comunicacional e relacional de novas formas de existir, questionando o preconceito, a desvalorização e a falta de reconhecimento de suas capacidades e contribuições.

Palavras-chave


Imigração; mulheres haitianas; relatos de si, auto-realização; reconhecimento.

Texto completo:

PDF

Referências


BIROLI, Flávia (2012). "Agentes imperfeitas: contribuições do feminismo para a análise da relação entre autonomia, preferências e democracia". Revista Brasileira de Ciência Política, n. 9, p. 7-39.

BIROLI, Flávia. Autonomia, opressão e identidades: a ressignificação da experiência na teoria política feminista. Revista Estudos Feministas (UFSC. Impresso), v. 21, p. 81-105, 2013.

BUTLER, Judith. Relatar a si mesmo: crítica da violência ética. Belo Horizonte: Autêntica, 2015.

BUTLER, Judith. Vida precária. Contemporânea – Revista de Sociologia da UFSCar. São

Carlos, Departamento e Programa de Pós-Graduação em Sociologia da UFSCar, 2011, n.1, p.13-33.

COGO, Denise, SILVA, Terezinha. Entre a 'fuga' e a 'invasão': alteridade e cidadania da imigração haitiana na mídia brasileira. Revista FAMECOS (Online), v. 23, p. 1-18, n. 2016.

COGO, Denise. Internet e redes migratórias transnacionais: narrativas da diáspora sobre o Brasil como país de imigração. Novos Olhares, v. 4, p. 91-104, n. 2015.

COGO, Denise. Haitianos no Brasil: comunicação e interação em redes migratórias transnacionais. Revista Latinoamericana Comunicación Chasqui, v. 1, p. 1-15, n. 2014.

COGO, Denise. Comunicação e migrações transnacionais: o Brasil (re)significado em redes migratórias de haitianos. Revista de Estudos Universitários, v. 40, p. 233-257, n. 2014.

DORNELAS, Paula Dias. Migração e reconhecimento: um estudo de caso sobre os haitianos na região metropolitan de Belo Horizonte. 2016. Trabalho de Conclusão de Curso. (Graduação em Comunicação Social) - Universidade Federal de Minas Gerais.

HANDERSON, Joseph ; JOSEPH, Rose-Myrlie. “As relações de gênero, de classe e de raça: mulheres migrantes haitianas na França e no Brasil”, Revista de Estudos e Pesquisas sobre as Américas, v.9, n.2, 2015, p.1-33.

HONNETH, Axel; ANDERSON, Joel. Autonomia, Vulnerabilidade, Reconhecimento e Justiça. Cadernos de Filosofia Alemã: Crítica e Modernidade, São Paulo, n. 17, p. 81-112, june 2011.

HONNETH, Axel. « Invisibilité : sur l’épistémologie de la reconnaissance », Réseaux, n.129-130, 2005, pp.41-57.

MACHADO, I. L. Le rôle du récit de vie dans le discours politique de Lula. Argumentation etAnalyse du discours, v. 7, p. 1-22, n. 2011.

MACHADO, I. L..Narrativa de vida e construção de identidade. In:Gláucia Proença Lara; Rita Pacheco Limberti (Org.). Discurso e [des]igualdade social. 410ed. São Paulo: CONTEXTO, 2015, v.1 p.129-142.

MORICEAU, Jean-Luc. "Tout contre la représentation. Et si le but de la recherche n’était pas de représenter ? ", in Société de Philosophie des Sciences des Gestion (dir), Les Prêts-à-penser en épistémologie des sciences de gestion, Paris : L’Harmattan, 2014, p. 61-79.

RAGO, Margareth. A aventura de contar-se: feminismos, escrita de si e invenções da subjetividade. Campinas: Unicamp, 2013.

RENAULT, Emmanuel. L'expérience de l'injustice: reconnaissance et clinique de l'injustice. Paris, La Découverte, 2004.




DOI: http://dx.doi.org/10.18224/pan.v7i2.5927

 

Este obra está licenciada com uma Licença Creative Commons - Atribuição Sem Derivações 4.0 CC BY-NC-ND


PANORAMA | Comunicação Social | Pontifícia Universidade Católica de Goiás | e-ISSN 2237-1087 | Qualis B4