Eu Sou a Universal! Anotações introdutórias acerca de um mote midiático

Marcelo Lopes

Resumo


A Rede Record de Televisão – mídia televisiva da Igreja Universal do Reino de Deus – vem propagando amplamente um mote midiático de cunho religioso, qual seja, Eu sou a Universal. A veiculação desta mensagem parece ser, a um tempo, proselitista e apologética. No entanto, pensamos haver algo mais que se pode depreender acerca deste mote. Nesse fito, o presente ensaio se ocupa de problematizar questões de fundo que subjazem este mote midiático. A partir de três questionamentos, intentamos contribuir para uma reflexão acerca desse fenômeno, cuja chave hermenêutica situa-se no âmbito do paradigma compreensivo, através das lentes da Ciência da Religião.

Palavras-chave


Pentecostalismo; Igreja Universal; Mote midiático.

Texto completo:

PDF

Referências


ALVES, Ruben. O que é religião? São Paulo: Loyola, 2002.

BOBSIN, Oneide. Teologia da Prosperidade ou estratégia de sobrevivência: estudo exploratório. Estudos Teológicos, São Leopoldo, v. 35, n. 1, p. 21-38, 1995. Disponível em: . Acesso em: 15 jan. 2015.

BOURDIEU, Pierre. A economia das trocas simbólicas. São Paulo: Perspectiva, 2007.

CAMPOS, Leonildo Silveira. Teatro, templo e mercado: organização e marketing de um empreendimento neopentecostal. Petrópolis: Vozes; São Paulo: Simpósio; São Bernardo do Campo: UMESP, 1997.

CUNHA, Magali do Nascimento. “Casos de família”: um olhar sobre o contexto da disputa “Igreja Universal do Reino de Deus X Igreja Mundial do Poder de Deus” nas mídias. REVER – Revista de Estudos de Religião, São Paulo, ano 12, nº 02, jul/dez. 2012, p. 101-110. Disponível em: . Acesso em: 15 ago. 2015.

DELAGE, Paulo Audebert. O Cristão e os desafios da pós-modernidade. São Paulo: Longarina, 2014.

DIAS, Zwínglio Mota. Um século de religiosidade Pentecostal: algumas notas sobre a irrupção, problemas e desafios do fenômeno pentecostal. Horizonte, Belo Horizonte, v. 9, n. 22, p. 377-382, jul./set. 2011. Disponível em: . Acesso em: 18 jul. 2015.

FRESTON, Paul. Breve história do pentecostalismo brasileiro, In: Alberto ANTONIAZZI, et al. Nem anjos nem demônios: interpretações sociológicas do Pentecostalismo. Petrópolis: Vozes, 1994. p. 72-159.

(_________). Protestantes e política no Brasil: da constituinte ao impeachment. 1993. 304 p. Tese (Doutorado em Ciências Sociais) – IFCH, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 1993.

GROSS, Eduardo. O conceito de Fé em Paul Tillich. Correlatio, São Bernardo do Campo, v. 12, n. 23, p. 7-26, jun. 2013. Disponível em: . Acesso em: 10 jul. 2015.

LOPES, Marcelo. Bem aventurados os “pobres”; porque eles reinam (ao menos) no pentecostalismo: um ensaio de sua retroalimentação socioeconômica. Revista Acta Scientiarum, Maringá, v. 34, n. 2, p. 141-145, jul.-dez. 2012. Disponível em: . Acesso em: 16 jul. 2015.

MARIANO, Ricardo. Neopentecostais: sociologia do novo pentecostalismo no Brasil. São Paulo: Loyola, 1999.

(_________). O reino de prosperidade da Igreja Universal. In: ORO, Ari Pedro; CORTEN, André; Dozon, Jean-Pierre. (Orgs.). Igreja Universal do Reino de Deus: Os novos conquistadores da fé. São Paulo: Paulinas, 2003, p. 237-258.

MENDONÇA, Antonio Gouvêa VELASQUES FILHO, Prócoro. Introdução ao Protestantismo no Brasil. São Paulo: Loyola. 1990.

(_________). Protestantes, pentecostais & ecumênicos: o campo religioso e seus personagens. São Bernardo do Campo: UMESP, 2008.

MORAES, Gerson Leite de. Neopentecostalismo – um conceito obstáculo na compreensão do subcampo religioso pentecostal brasileiro. REVER – Revista de Estudos de Religião, São Paulo, ano 10, n. 2, p. 1-19, jun. 2010. Disponível em: www.pusp.br/rever/rv2_2010/t_moraes.pdf. Acesso em: 15 jun. 2015.

NEGRÃO, Lísias Nogueira. A religiosidade do povo – visão complexiva do problema. In: QUEIROZ, José J. (Org.). A religiosidade do povo. São Paulo: Edições Paulinas, 1984. p. 7-41.

RODRIGUES, Elisa. A dimensão comunicativa e a performatividade nos cultos da Igreja Mundial do Poder de Deus. Estudos Sociológicos, Araraquara, v. 18, n. 34, jan.-jun. 2013. p. 209-226. Disponível em: . Acesso em: 07 ago. 2015.

SANCHIS, Pierre. Pentecostalismo e cultura brasileira. Religião e Sociedade, Rio de Janeiro, n. 18, v. 2, 1997, p. 123-126.

SIEPIERSKI, Paulo Donizéti. Pós-pentecostalismo e política no Brasil. Estudos Teológicos, São Leopoldo, v. 37, n. 1, p. 47-61, 1997. Disponível em: . Acesso em: 15 jun. 2015.

TERRIN, Aldo Natale. O Sagrado Off Limits: a experiência religiosa e suas expressões. São Paulo: Loyola, 1998.

TILLICH, Paul. Dinâmica da fé. São Leopoldo: Editora Sinodal, 1996.

WOLFART, Graziela. Entrevista com Gedeon Freire de Alencar. “A teologia da prosperidade e o neoliberalismo são irmãos siameses”. IHU On line, Revista do Instituto Humanitas Unisinos, São Leopoldo, Ed. 329, ano X, p. 15-17, mai. 2010a. Disponível em: . Acesso em: 21 jan. 2015.

(_________). Entrevista com Ricardo Mariano. O pentecostalismo no Brasil, cem anos depois. Uma religião dos pobres. IHU On line, Revista do Instituto Humanitas Unisinos, São Leopoldo, Ed. 329, ano X, p. 5-7, mai. 2010b. Disponível em: http://www.ihuonline.unisinos.br/index.php?option=com_content&view+article&id+3206&secao=329. Acesso em: 30 jun. 2015.




DOI: http://dx.doi.org/10.18224/pan.v7i2.5943

 

Este obra está licenciada com uma Licença Creative Commons - Atribuição Sem Derivações 4.0 CC BY-NC-ND


PANORAMA | Comunicação Social | Pontifícia Universidade Católica de Goiás | e-ISSN 2237-1087 | Qualis B4

Flag Counter