Caminho das Águas: comunicação, literatura e narrativas antirracistas

Luciene de Oliveira Dias, Elisângela Gomes

Resumo


Apresentamos aqui uma perspectiva da comunicação voltada à compreensão dos atos narrativos enquanto estratégia de construção da memória coletiva de grupos subalternizados, mais especificamente mulheres negras. O comportamento corrente dos meios de comunicação em massa transmite e perpetua valores hegemônicos, o que contribui para a sub-representação dos estereótipos negativos atribuídos à população negra. Nesse sentido, as escritas chamadas afro-femininas apresentam a possibilidade de construção de atos comunicacionais que fortalecem a luta antirracista.


Palavras-chave


Comunicação humana; Atos narrativos; Antirracismo; Mulheres Negras;

Texto completo:

PDF

Referências


ASANTE, Molefi. Afrocentricidade: notas sobre uma posição disciplinar. In: Nascimento, Elisa Larkin. Afrocentricidade: uma abordagem epistemológica inovadora. São Paulo: Selo Negro, 2009.

AUGÉ, Marc. As formas do esquecimento. Almada: Íman Ed., 2001.

BAIRROS, Luíza. Nossos Feminismos Revisitados. In: RIBEIRO, Matilde (org). Dossiê Mulheres Negras. Revista Estudos Feministas. Florianópolis, CFH/CCE/UFSC, v.3 n. 3, p.458-463, 1995.

CANDIDO, Antônio. Literatura e Sociedade. 9. ed. Rio de Janeiro: Ouro sobre azul, 2006.

CARNEIRO, S. Mulheres em movimento. Estudos avançados, São Paulo, v. 17, n.49, p. 117-133, São Paulo: 2003.

DEJAIR, Dionísio. Ancestralidade bantu na literatura Afro-brasileira: reflexões sobre o romance “Ponciá Vicêncio”, de Conceição Evaristo. Belo Horizonte: Nadyala, 2013.

EVARISTO, Conceição. Literatura negra: uma voz quilombola na literatura brasileira. In: Edimilson de Almeida Pereira. (Org.). Um tigre na floresta de signos: estudos sobre poesia e demandas sociais no Brasil. 1ed. Belo Horizonte: Mazza Edições, 2010, v. 1, p. 132-142.

FLICK, Uwe. Qualidade na pesquisa qualitativa. Porto Alegre: Artmed, 2009.

FREIRE, Paulo. A importância do ato de ler: em três artigos que se completam. 29. Ed. São Paulo: Cortez, 1994.

GIL, A. C. Como elaborar projetos de pesquisa. 4 ed. São Paulo: Atlas, 2002.

HALL, Stuart. A identidade cultural na pós-modernidade. Trad.Tomáz Tadeu da Silva, Guacira Lopes Louro.Rio de Janeiro: DP&A, 2005.

HOOKS, Bell. Ensinando a transgredir: A educação como prática da liberdade. São Paulo: WMF Martins Fontes, 2013.

KOCH, Ingdore Villaça; ELIAS, Maria V. Ler e compreender os sentidos do texto. São Paulo: Contexto, 2008.

MAIO, M. C. O Projeto Unesco: ciências sociais e o "credo racial brasileiro". Revista USP, Brasil, n. 46, p. 115-128, ago. 2000.

MAPA DA VIOLÊNCIA 2015: Homicídio de mulheres no Brasil. Brasília. DF: FLACSO, 2015.

MARTINO, Luís Mauro Sá. De um eu ao outro: narrativa, identidade e comunicação como alteridade. Revista Parágrafo, São Paulo, v. 4, n. 1, p. 41-49, 2016.

POLLAK, Michael. Memória, Esquecimento, Silêncio. Estudos Históricos, Rio de Janeiro, v. 2, n. 3, p. 3-15, 1989.

RETRATO DAS DESIGUALDADES DE GÊNERO E RAÇA. Brasília. DF: IPEA, 2011.

SCOTT, J. W. “Gênero: uma categoria útil de análise histórica”. Educação & Realidade. Porto Alegre, vol. 20, nº 2, jul./dez. 1995, p. 71-99.

VAN DIJK, Teun. Discurso e racismo. In: Discurso e poder. São Paulo: Contexto, 2008.




DOI: http://dx.doi.org/10.18224/pan.v8i1.6498

 

Este obra está licenciada com uma Licença Creative Commons - Atribuição Sem Derivações 4.0 CC BY-NC-ND


PANORAMA | Comunicação Social | Pontifícia Universidade Católica de Goiás | e-ISSN 2237-1087 | Qualis B4