Memórias de violência no Twitter: sensibilidades do estupro a partir de #OsDiasEramAssim

Juara da Conceição, Rosana Maria Ribeiro Borges

Resumo


Ao refletirmos acerca do Twitter, tende-se a destacar suas questões de efemeridade, sobretudo no que diz respeito ao seu fluxo de comunicação. Entretanto, o que buscamos neste trabalho é traçar uma relação de perenidade entre memória, narrativas seriadas ficcionais e o Twitter. O corpus de análise serão as postagens filtradas do Twitter a partir da hashtag “#OsDiasEramAssim” e também da palavra “estupro”, pois o que buscamos em nosso trabalho é compreender quais as memórias e significações dessa violência, a partir da série “Os Dias Eram Assim” da Rede Globo (2017) e sua reverberação de sentido no Twitter. A análise parte do entendimento de que as redes são estruturas sociais de caráter coletivo (Castells, 1999), o que vai ao encontro com os aspectos de memória destacados por Nora (1993), que fala da relação entre coletividade e memória e de sua natureza grupal e viva. Para tal, compreendemos a hashtag como extensão lúdica e memorial da narrativa (Fechine, 2011), o que nos permite refletir acerca da memória e sua relação com as redes informacionais e as narrativas de ficção. Entendendo que as narrativas ficcionais balizam o imaginário social (Maffesoli, 2001) e a cultura da sociedade, traçando ao longo da história aspectos de identidade e identificação.

Palavras-chave


estupro; narrativa; twitter

Texto completo:

PDF

Referências


BARBERO, Jesús Martín. Dos meios às mediações: comunicação, cultura e hegemonia Rio de Janeiro: UFRJ, 2015.

CASTELLS, Manuel. A sociedade em rede. Tradução de Roneide Venâncio Majer. São Paulo: Paz e Terra, 1999.

CERQUEIRA, Daniel; COELHO, Danilo Santa Cruz. Estupro no Brasil: uma radiografia segundo os dados da Saúde (versão preliminar). Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea). 2014.

FECHINE, Yvana et al. Transmidiação: explorações conceituais a partir da telenovela brasileira. In: LOPES, Maria Immacolata Vassalo. (org). Ficção televisiva transmidiática no Brasil: plataformas, convergência, comunidades virtuais. Porto Alegre: Sulina, 2011.

GEERTZ, Clifford. A Interpretação das Culturas. Rio de Janeiro: Livros Técnicos e Científicos Editora S.A, 1973.

KOFES, S. Categorias analítica e empírica: gênero e mulher: Disjunções, conjunções e mediações. Cadernos Pagu, Campinas, 1993.

MAFFESOLI, Michel. A Transfiguração do Político: a tribalização do mundo. Porto Alegre: Sulina, 2001.

NORA, Pierre. Entre memória e história: a problemática dos lugares. Projeto História, São Paulo, n.10, dez. 1993.

PACHECO, Ana Cláudia Lemos. Mulheres Negras: Afetividade e Solidão. EDUFBA, Salvador, 2013.

PALLOTTINI, Renata. Dramaturgia de televisão. São Paulo: SP, Moderna, 2012.




DOI: http://dx.doi.org/10.18224/pan.v8i1.6537

 

Este obra está licenciada com uma Licença Creative Commons - Atribuição Sem Derivações 4.0 CC BY-NC-ND


PANORAMA | Comunicação Social | Pontifícia Universidade Católica de Goiás | e-ISSN 2237-1087 | Qualis B4

Flag Counter